quarta-feira, 6 de outubro de 2010

A MAIOR FORTUNA DO CERRADO LESTE MARANHENSE

A expectativa quanto ao dia seguinte se desforrara sobre boa parte daquele dia, e, especialmente, sobre a dormida na casa do seu Lourival, na comunidade de São Raimundo, município de Brejo, Baixo Parnaíba maranhense, o qual se eternizou como o seu Loura - a chegada em São Raimundo e as providências para que as dramatizações ensaiadas pelas comunidades de São Raimundo, Santa Teresa, Pacoti, Crioulis e Vila das Almas saíssem dentro dos conformes.

A comunidade de Santa Teresa, recém-criado assentamento pelo INCRA, sediaria o desfecho da pesquisa da doutoranda Silvane Magali na qual ela compassa os impactos da monocultura da soja sobre a vida das mulheres dessas comunidades.

As dramatizações ficaram sob a guarda das mulheres das comunidades e discorreriam sobre o antes e o depois da vinda da soja para aquele pedaço de Cerrado no município de Brejo, mas intervalando parte da Chapada com o município de Buriti de Inácia Vaz. Pagar-se-ia uma fortuna pelo resgate do “antes do boom da soja” no Baixo Parnaíba maranhense e essa fortuna quase todas as comunidades a deixaram escapulir como se fosse um mero devaneio.

O discurso da Embrapa, dos órgãos fundiários e das elites políticas maranhenses categorizou a monocultura da soja como a mais auspiciosa promessa para o Cerrado leste-maranhense e essa promessa valia para todos os municípios do Baixo Parnaíba.

Mais incrível que a “conclusão cientifica” disparada pelos pesquisadores da Embrapa é o que a monocultura da soja acarretou e acarreta para o meio econômico, para o meio social e para o meio ambiente, sobretudo, naqueles municípios onde ela colecionou milhares e milhares de hectares como são os casos de Brejo e de Buriti de Inácia Vaz, municípios pertencentes à bacia do rio Buriti.

Nesses dois municípios, a monocultura da soja amordaçou os últimos dez anos de existência na cumplicidade de elites políticas, órgãos fundiários e Embrapa que, anteriormente, armaram o circo das invencionices e das esquisitices para o e sobre o Baixo Parnaíba.

Eles se fanfarronavam da Chapada, que antes não prestava para nada, como espaço indispensável e insuperável para o plantio de soja e eles desengonçavam o extrativismo de frutas e a criação de animais soltos como práticas de sociedades arcaicas e miseráveis.

Toda e qualquer atividade humana no e toda e qualquer comunidade do Baixo Parnaíba maranhense se sujeitariam ao conhecimento técnico – cientifico para que os moradores da região fossem devidamente recompensados pelos anos que dedicaram à preservação da Chapada.

O conhecimento técnico – cientifico laureou as comunidades tradicionais e agroextrativistas do Baixo Parnaíba com hectares e mais hectares de Chapadas desmatados sem se importar com os bacurizeiros e os pequizeiros arrebentados pelos correntões.

Os anfitriões das comunidades de São Raimundo, Santa Tereza, Pacoti, Crioulis e Vila das Almas em suas dramatizações e em suas redações portavam uma importância para com os bacurizeiros, os pequizeiros e outras espécies da fauna e da flora que se dobram, desdobram-se e se redobram sobre as Chapadas.

Eles reprovaram o “boom da soja”, que data a partir de 2002, ao se parodiarem em seus jeitos de falar, de vestir e de comer tão recônditos que devem ferir os olhos e ouvidos de muita gente que aporta do sul, sudeste e centro-oeste do Brasil na região do Baixo Parnaíba maranhense.

Em São Raimundo, Santa Tereza, Pacoti, Crioulis e Vila das Almas, o “boom da soja” completou em menos da metade a sua pretensão de modernização econômico-ambiental das comunidades tradicionais e extrativistas do município de Brejo. Apreende-se isso pelo simples fato de ouvir o filho do seu Loura pronunciar “posta” em vez porta e comunidade “Boi Mosto” em vez de Boi Morto.

A palavra errada e o trilhar pelas Chapadas em São Raimundo e Santa Tereza, município de Brejo, Baixo Parnaíba maranhense, resgataram a maior fortuna do Cerrado leste maranhense que é a sócio - biodiversidade.

Por: Mayron Régis( Fórum Carajás)

0 comentários:

Postar um comentário