domingo, 30 de janeiro de 2011

TIMON: INAUGURA OBRAS "DE FAZ DE CONTA"

Inaugurar obras inacabadas ou sem operacionalidade é a tônica do atual governo de Timon. Localizado na principal entrada da cidade - ponte metálica - e inaugurado com pompa e circunstância há pouco mais de um mês, durante o aniversário da cidade, O centro de Comercialização de Artesanato se transformou rápido no símbolo de uma administração que tem se especializado em inaugurar obras sem nenhuma serventia, já que não funcionam após as solenidades de inauguração, movidas a muito foguete e discursos laudatórios.

No Centro de Artesanato mesmo, além dos foguetes, bandas de música e falatórios, na solenidade de inauguração, no dia 22 de dezembro, dia do aniversário da cidade, cortaram até um imenso bolo. A situação da fachada no dia da inauguração é a mesma da foto de hoje. Com um detalhe e um agravante: os artesões continuam expostos ao tempo e a condições adversas e, galpões improvisados nos fundos do prédio e o agravante é que a "maquiagem" para a inauguração quase tira a vida de um jovem casal. Um artesão que trabalha no local contou que durante a última chuva forte que caiu na cidade um casal se abrigou sob um alpendre de metal que acabou vindo abaixo. "Os jovens só não morreram porque haviam se retirado segundos antes ", contou o artesão, que pediu anonimato temendo perder a vaga que possui no Centro de Artesanato.

Ele disse ainda que muitos colegas preferiam continuar trabalhando do jeito que era antes da reforma. "Estamos esperando por esta obra há mais de dois anos. Desde então ficamos sem um lugar decente para trabalha e ainda perdemos clientes, que passam direto pela frente e não imaginam que estamos instalados e amontoados lá atrás", lamentou.

Dinheiro curto ou comido
O Centro de Artesanato é mais obra oriunda de emendas do deputado Professor Sétimo(PMDB) que nunca acaba e, quando acaba, não funciona. Os aliados - que vêm diminuindo a cada eleição - dizem que "o dinheiro é curto" e, portanto, insuficiente; enquanto os adversários dizem que "o dinheiro das emendas está sendo é comido mesmo, gasto nas campanhas".

A prefeita Socorro Waquim e seu marido já inaugurou e não conseguiu botar pra funcionar quatro grandes reservatórios de água avaliados em mais de R$ 10 milhões - trouxe até o presidente da Funasa no dia da inauguração - fez três viagens inaugurais do metrô de superfície que nunca funcionou um dia; construiu quatro modernas creches que nunca viram um cocô de criança; hospitais e clínicas que não funcionam(uma ontem com a presença do secretário estadual de saúde); e um sistema de esgotamento sanitário que ninguém sabe em que fase se encontra já que a construtora abandonou a cidade e deixou as ruas com mais buracos ainda. E gastou, em seis anos, mais de R$ 1 bilhão para fazer todas estas obras de fachadas.

Por estas e outras - o atraso salarial dos servidores e o sumiço do dinheiro do Fundeb - foi que o promotor Eduardo Borges pediu à justiça o afastamento da prefeita e de sua irmã, Suely Almeida, secretária de Educação.

Fonte: O imparcial

0 comentários:

Postar um comentário