domingo, 20 de novembro de 2011

SARNEY QUER CONTRATAR DEZENAS DE FUNCIONÁRIOS

Deu na “Veja”.
Consultoria recomendou demissão de servidores do Senado, mas o presidente da Casa, José Sarney, só autorizou as contratações. Este episódio é mais um exemplo de como a engrenagem do Senado age apenas para ampliar seus privilégios.

Uma das poucas tentativas de sanear a estrutura da Casa – que conta com 8 mil servidores e um orçamento de mais de R$ 3 bilhões -, o projeto de reforma administrativa desenvolvido na Comissão de Constituição e Justiça está parado há quatro meses.

Relatado pelo senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), previa o corte de metade dos 2 mil cargos comissionados e um terço dos funcionários terceirizados, reestruturação dos gabinetes parlamentares e maior rigor no uso de imóveis funcionais. São medidas que redundariam em uma economia de R$ R$ 150 milhões por ano.

Numa clara manobra de boicote ao relatório, o projeto foi tirado de Ferraço e passado a Benedito de Lira (PP-AL), aliado de Renan Calheiros, sumo representante dos maus costumes no Congresso.

'O Senado ultrapassou todos os limites da civilidade', diz Ferraço. Na Câmara dos Deputados, está tudo pronto para reajustar em até 39% os vencimentos dos servidores da Casa. Se aprovado, o novo plano de carreira vai custar aos cofres públicos R$ 207 milhões por ano. A conta, é claro, será apresentada ao contribuinte.

0 comentários:

Postar um comentário