segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

ESCOLA DE SABMBA BEIJA-FLOR HOMANAGEIA MARANHENSE


Campeã do carnaval do Rio em 2011, a escola de samba Beija-Flor de Nilópolis desfilou na Marquês de Sapucaí um tributo a Joãosinho Trinta, carnavalesco que integrou a escola por 15 anos e morreu em dezembro do ano passado. Para a homenagem, a agremiação fez menção a uma das mais marcantes criações do carnavalesco: o polêmico "Cristo Mendigo", do enredo do carnaval de 1989 "Ratos e urubus, larguem minha fantasia" e que, na ocasião, entrou na Avenida coberto por um plástico preto.

Desta vez, debaixo da cobertura preta se escondia uma gigantesca estátua de Joãosinho, revelada durante a passagem da Beija-Flor na primeira noite do carnaval carioca.
 A escultura veio no carro "A histórica São Luís e a arte do gênio João", último a passar pela passarela do samba, e que fazia mais uma referência ao carnavalesco: trazia um trono vazio, marcando a ausência de Joãozinho no desfile desta noite. A Beija-Flor completou o desfile com 1h14.
A Beija-Flor busca o 13º título do carnaval com o enredo "São Luís, o poema encantado do Maranhão". Para contar a história da capital maranhense, que completa 400 anos, a atual campeã carioca não mediu esforços: levou para a Sapucaí cerca de cinco toneladas de búzios. Além disso, para desenvolver o enredo, a comissão de carnaval fez várias visitas a São Luís do Maranhão. A agremiação contou a história da ilha nordestina habitada por índios tupinambás, que foi disputada por franceses, holandeses e portugueses.
A evolução da escola de Nilópolis foi levada pela voz mais tradicional do carnaval carioca: não faltou o grito "Olha a Beija-Flor aí gente", do puxador Neguinho da Beija-Flor, que canta os sambas da agremiação há 36 anos.
Exuberantes em fantasias douradas com plumas amarelas e levantando o público da Sapucaí, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira Claudinho e Selminha Sorrizo dança junto desde 1992, quando estrearam na Estácio de Sá. Estão há 17 anos na Beija-Flor.
A rainha de bateria da Beija-Flor, Raíssa Oliveira, de 21 anos, está na escola desde os 12 e completa dez à frente da bateria. "Até hoje antes de entrar na Avenida ainda sinto um friozinho na barriga", diz.
A ex-BBB Jaqueline Faria, musa da Beija-Flor desde os 14 anos de idade, encarnou uma rainha feiticeira na passarela.A rainha de bateria da Beija-Flor, Raíssa Oliveira, de 21 anos (Foto: Alexandre Durão/G1)
Em vez de um carnavalesco, a Beija-Flor tem uma comissão de carnaval: Laíla, Fran-Sérgio, Ubiratan Silva, Vitor Santos e André Cesari.  O grupo não conta mais com Alexandre Louzada, que estava na escola desde 2007 e estreou à frente da Mocidade este ano.
Um dos destaques da escola foi a cantora Alcione, que desfilou com familiares no penúltimo carro da agremiação e se sentiu honrada com a homenagem à cidade natal, São Luís.
A cantora Alcione, que desfilou pela Beija-Flor. (Foto: Carolina Lauriano/G1)
"Não emocionou só a mim, mas a todos os maranhenses. Só pelo que eu sei são 700 desfilando aqui hoje", afirmou. Ela sairá de destaque em um carro com familiares. "A Sapucaí está muito bonita. Cabe mais gente agora."
O pássaro símbolo da escola de Nilópolis foi um dos destaques do carro abre-alas, que exibia uma quimera gigante e dourada de três cabeças e uma cauda de serpente, representando as culturas europeias que invadiram a ilha que hoje é São Luís.
A Ala “Angústia dos Grilhões" trouxe um navio cheio de escravos acorrentados, representados pelos componentes da escola e por esculturas que revestiam o carro. Outros 360 componentes deram vida aos negros que ajudaram a construir a capital maranhense na ala “O mercado de dialetos africanos", décima a entrar na Avenida. Passistas mascarados representaram os pretos-velhos, que atuavam como guias dos negros encarnados.
O primeiro campeonato conquistado pela Beija-Flor foi em 1998, quando empatou com a Mangueira. As outras vitórias foram obtidas em 2003, 2004, 2005, 2007, 2008 e 2011.
Com informações do G1  

0 comentários:

Postar um comentário