quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

LAUDOS DE TANCREDO NEVES SÃO REQUERIDOS NA JUSTIÇA

O filho do ex-presidente do Brasil Tancredo Neves, Tancredo Augusto Tolentino Neves, pediu nesta quarta-feira à Justiça que o CFM (Conselho Federal de Medicina) e o CRM (Conselho Regional de Medicina) do Distrito Federal forneçam "todos e quaisquer documentos" que contenham dados sobre a morte do pai.

Tancredo Neves morreu no dia 21 de abril de 1985, de septicemia --infecção generalizada--, após mais de um mês internado em estado grave. O então vice-presidente José Sarney assumiu o cargo.

Até hoje, as circunstâncias da morte são questionadas por médicos e familiares de Tancredo. O historiador Luís Mir, no livro "O paciente - O caso Tancredo Neves", de 2010, critica os métodos adotados pelos profissionais que atenderam o ex-presidente e afirma que alguns procedimentos não deveriam ter sido realizados.

Junto com Mir, os advogados que representam Tancredo Augusto haviam feito pedido administrativo ao CFM, CRM-DF e ao Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) para que fornecessem os documentos relativos ao presidente. Os órgãos se recusaram, alegando violação ao sigilo profissional entre médico e paciente.

A partir da negativa, os advogados ajuizaram então, perante a Justiça Federal do Distrito Federal, um "habeas data", ação em que pedem o acesso a todos os documentos, procedimentos e processos relativos a Tancredo que estejam em posse do CFM e CRM-DF.

Os advogados afirmaram que pretendem pedir o mesmo na Justiça Federal Paulista, em face do Cremesp, já que parte da internação de Tancredo foi no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Em nota, a família de Tancredo afirma que o pedido de informações tem como "único objetivo" atender à demanda do historiador Luís Mir.

"O pedido atende às exigências para acesso aos documentos em questão junto ao Conselho Federal de Medicina e ao Conselho Regional do Distrito Federal."

Folha de São Paulo

0 comentários:

Postar um comentário