segunda-feira, 23 de abril de 2012

Canteiros de obras de Belo Monte foram parados pelos trabalhadores, confira aqui

Operários bloquearam acesso às cinco frentes de trabalho da usina.
Manifestação começou no km 27 da rodovia Transamazônica.

Greve no canteiro de Belo Monte (Foto: Reprodução / TV Liberal)Operários da usina de Belo Monte, em Altamira (PA), iniciaram nesta segunda-feira (23) uma paralisação por melhores condições de trabalho. O ato é pacífico. A categoria fechou o principal acesso aos cinco canteiros de obras da usina, no km 27 da Rodovia Transamazônica.

O estado de greve dos trabalhadores começou na última quinta-feira. Eles querem aumento do valor da cesta básica, que hoje é de R$ 95, e a diminuição do intervalo entre os periodos de folga. Hoje, os trabalhadores têm direito a sair para ver a família de seis em seis meses.

O Consórcio Construtor de Belo Monte (CCBM) informou que todas as atividades dos canteiros foram suspensas, mas 850 trabalhadores foram liberados da greve para garantir a manutenção de serviços essenciais como segurança, atendimento médico e alimentação aos operários alojados.

A paralisação em Altamira começou por volta de cinco horas da manhã. Os operários líderes da manifestação bloquearam o acesso dos ônibus que levam trabalhadores para as cinco frentes de trabalho de Belo Monte. 

Em nota à imprensa, o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) informa que a paralisação surgiu do não atendimento pelo CCBM de reivindicações realizadas fora da data-base da categoria, válidas até outubro de 2012 pelo Acordo Coletivo de Trabalho.

O Consórcio afirma que está tomando todas as medidas judiciais para encerrar o movimento e fazer os funcionários retornarem ao trabalho. O CCBM diz que espera que o movimento grevista transcorra em clima de normalidade, sem atos de vandalismo e, por fim, se coloca aberto ao diálogo com seus trabalhadores.

Entenda o caso
Esta não é a primeira vez que os operários de Belo Monte suspendem atividades nas frentes de trabalho da usina. No dia 29 de março os funcionários de dois dos cinco canteiros de obras paralisaram as obras exigindo melhores condições de trabalho.

A manifestação ocorreu após a morte de um operário em 27 de março. Francisco Orlando Rodrigues, que trabalhava para uma empresa terceirizada que executava serviços de supressão vegetal para o Consórcio Construtor da Usina, morreu em um acidente de trabalho.

Na época, os responsáveis pela obra informaram que as manifestações não estavam relacionadas ao falecimento de Rodrigues, e que ainda aguardavam a pauta de reinvindicações dos demais trabalhadores. As atividades nos canteiros foram retomadas no dia 30 de março.

Do G1

0 comentários:

Postar um comentário