terça-feira, 10 de abril de 2012

Pesquisas por minas de terras raras disparam no Brasil, confira aqui

Em dois anos, país registra 180 pedidos de procura pelo insumo usado em itens de alta tecnologia como smartphones e tablets.

A descoberta de uma reserva de neodímio, um dos 17 elementos do conjunto de minerais chamado terras raras, pelo geólogo João Carlos Cavalcanti - mostrada pelo iG na semana passada, reflete o aumento no número de pedidos para a execução de pesquisas protocolados por mineradoras instaladas no Brasil junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

O órgão do Ministério de Minas e Energia registra 214 requerimentos de autorização de pesquisa por terras raras desde a década de 1940, conforme levantamento feito pelo iG Economia no DNPM.

A maior parte dos pedidos, contudo, se concentra nos últimos dois anos. Em 2011, foram 106 requerimentos de autorização para pesquisar novas reservas de minerais raros como cério, lantânio e monazita. Os elementos são matérias-primas essenciais para produzir eletroeletrônicos de alto desempenho, como baterias de carros elétricos, circuitos de computadores e dispositivos de misseis.

Em 2011, os pedidos ao DNPM somaram 67 solicitações de estudos geológicos para identificar depósitos dos insumos minerais que estão por trás das telas de smartphones, notebooks e tablets.

No primeiro trimestre de 2012, os requerimentos formais feitos ao DNPM somam 11 registros de pesquisa. O volume é mais que o dobro do verificado em toda a década de 1990, por exemplo, quando apenas cinco requerimentos foram protocolados no órgão federal.

Minerais menos raros
Em 2011, busca por insumos da alta tecnologia foi maior que o total das últimas duas décadas. Passe o mouse sobre o gráfico e veja os requerimentos de pesquisa das mineradoras em cada ano Brasil pode ter 52 milhões de toneladas.

O aumento na procura pelos insumos minerais coincide com a disparada de preços iniciada em 2009, após a China estabelecer a cota de 30 mil toneladas para exportação de terras raras em retaliação diplomática ao Japão - contencioso que ganhou dimensão global no mês passado, com Pequim sendo formalmente acusada pelos Estados Unidos e União Europeia por pratica de reserva de mercado junto à Organização Mundial do Comércio (OMC). A China produz 95% das terras raras vendidas no mundo.

A procura acelerada por terras raras no Brasil coincide também com a estimativa realizada pelo Mineral Commodity Summary 2011, publicação mais importante da geologia mundial. O documento elaborada pelo US Geological Survey (USGS – sigla do serviço geológico dos EUA) indica o Brasil como a nova fronteira global dos minerais raros.

Segundo o USGS, o país tem mais de 52 milhões de toneladas do insumo ainda não exploradas. O volume é imensamente superior as 48 mil toneladas comprovadas em solo brasileiro atualmente. Não à toa, gigantes como a Vale estão tocando pesquisas para identificar novas reservas.

Com informações do IG

0 comentários:

Postar um comentário