quinta-feira, 10 de maio de 2012

O jornalista Neiva Moreira morre aos 94 anos em São Luís do Maranhão, veja

Aos 94 anos, ele não resistiu a uma infecção respiratória contra a qual lutava desde março.
Neiva Moreira
Aos 94 anos, ele não resistiu a uma infecção respiratória contra a qual lutava desde março. Jornalista e político de história ilibada, Neiva Moreira, perdeu a batalha que vinha travando contra uma infecção respiratória diagnosticada desde o fim de março, quando foi internado no Hospital UDI, em São Luís. Moreira morreu na madrugada desta quinta-feira (10), por volta das 3h. 

NEIVA MOREIRA
José Guimarães Neiva Moreira nasceu em 10 de outubro de 1917, no município de Nova Iorque, a 600 quilômetros da São Luís. Em seu livro de memórias ("O Pilão da Madrugada - Um Depoimento a José Louzeiro"), o jornalista conta que é filho do quitandeiro Antônio Neiva Moreira e da professora Luzia Guimarães Moreira, de quem herdou o interesse pela leitura e pela política.

Neiva Moreira foi jornalista e deputado por várias legislaturas
Deputado estadual pelo PSP (1951 a 1955) e federal, pelo mesmo partido, de 1955 a 1964, Neiva foi um dos fundadores do Partido Democrático Trabalhista (PDT) no Maranhão, após aderir à Carta de Lisboa, de 17 de junho de 1979, o documento oficial de fundação do partido, idealizado por Leonel Brizola.

Pelo PDT, Neiva foi deputado federal de 1993 a 1994, e de 1997 a 2007.

Também editou, nas décadas de 1970 e 1980, a revista Cadernos do Terceiro Mundo, que cobriu acontecimentos políticos e sociais relevantes em países pobres da América Latina, da África, da Ásia e do Oriente Médio.

Seu último cargo político foi como assessor especial do governador pedetista Jackson Lago (janeiro de 2006 a abril de 2009), que teve sua gestão interrompida após cassação promovida pelo TSE.

Como jornalista, além de fundar a revista Cadernos do Terceiro Mundo, Neiva trabalhou como repórter no jornal O Pacotilha e foi dono do Diário do Povo, ambos de São Luís. No Rio de Janeiro, foi repórter dos jornais Diário de Notícias, Diário da Noite, O Jornal e revista Cruzeiro. Ainda no Rio de Janeiro colaborou em A Vanguarda, O Semanário e fundou O Panfleto.

Cassado e preso pelos militares, no golpe de 1964, Neiva Moreira foi, inesperadamente, posto em liberdade, por decisão de um chefe militar. Em seguida, asilou-se na Embaixada da Bolívia, de onde, protegido por salvo-conduto diplomático, viajou para La Paz, iniciando um exílio de 15 anos, que o levou a residir no Uruguai, na Argentina, no Peru e no México.

Boa parte da biografia aventuresca de Neiva Moreira está presente no livro-reportagem “O pilão da madrugada”, que contém depoimentos de Neiva ao escritor (também maranhense) José Louzeiro.

O velório começará às 9h, na sede do PDT (Partido Democrático Trabalhista), na Rua dos Afogados (Centro de São Luís). O enterro será às 16h, no cemitério do Gavião.


Com informações do JP/Imparcial

0 comentários:

Postar um comentário