quarta-feira, 20 de junho de 2012

Artistas comemoram os cem anos de Luiz Gonzaga, um ícone do Nordeste

Luiz Gonzaga
Artistas como Gilberto Gil, Elba Ramalho, Zeca Baleiro, Daniela Mercury, Fafá de Belém e Chico César falam ao iG sobre o legado do Rei do Baião

Luiz Gonzaga
Para Gilberto Gil, ele é seu "ícone maior". Na opinião de Elba Ramalho, ele é uma figura "só comparável a Carmen Miranda". Zeca Baleiro acredita que há um "vestígio dele em todo compositor brasileiro".

Fafá de Belém o define de uma maneira bem simples: um "mito". Chico César, por sua vez, diz que ele "reinventou o modo de ver e viver o Nordeste". Consultados pelo iG, todos estão falando de Luiz Gonzaga.

Se estivesse vivo, o criador de "Asa Branca" completaria 100 anos no dia 13 de dezembro. Mas as comemorações já estão acontecendo. Duetos póstumos, relançamentos e tributos homenagearão o compositor, que é o mais tocado em festas juninas, segundo dados do Ecad (Escritório Central de Arrecadação).

No ano passado, Gonzagão colocou três canções entre as dez mais tocadas no período junino: "Olha pro Céu" (3º lugar), "Pagode Russo" (8º lugar) e "Asa Branca" (9º lugar). No top 50, foram mais cinco composições: "São João na Roça", "O Xote das Meninas", "Fogo Sem Fuzil", "Quero Chá" e "Forró No Escuro".

Gilberto Gil: Por ter passado minha infância no sertão, escolhi Luiz Gonzaga como meu ícone maior

Ícone popular
Gonzaga começou a gravar em 1941, quando já morava no Rio de Janeiro. Aos poucos, foi tornando ritmos nordestinos como baião, forró e xote populares em todo o Brasil. Seu maior sucesso, "Asa Branca", foi lançado em 1947.

Foi mais ou menos nessa época que Gilberto Gil ouviu suas canções pelo rádio, na pequena cidade de Ituaçu, no interior da Bahia. "Por eu ter passado minha infância no sertão, numa cidade marcada pela cultura do boiadeiro, do cantador, do repentista, eu escolhi Luiz Gonzaga como meu ícone maior", explica.

"Ele sempre foi a referência maior da gente", diz outro artista nordestino, o cearense RaimundoFagner. "O primeiro show que vi na vida foi dele. Tinha seis ou sete anos. Ele era endeusado aqui no Nordeste."

Elba Ramalho: Luiz Gonzaga é um ícone da cultura popular comparável a Carmen Miranda

Para o paraibano Chico César, Gonzaga é "guia de todos artistas nordestinos". "Mais que isso, ele é guia de quase todos os homens nordestinos. Gonzaga reinventou o jeito de enxergarmos e vivermos o Nordeste", completa. "Era um homem negro, do interior nordestino, cantando seu lugar no mundo."

Ao fazer isso, revelou parte do Brasil aos brasileiros. Por isso, Elba Ramalho o considera um "ícone da cultura popular comparável a Carmen Miranda". Na opinião de Fafá de Belém, Gonzaga era "um mito" mesmo em vida. "Ninguém cantou o chão do Brasil como ele."

O problema é que tamanha identificação com o Nordeste fez com que muita gente visse Luiz Gonzaga como um artista apenas regional. O que, para Zeca Baleiro, é um erro. "De Tom Jobim a Gilberto Gil, de Chico César a Odair José, em todo compositor brasileiro há algum vestígio de Gonzaga", afirma "Ele foi lírico, malicioso, alegre, pungente... A obra dele é muito abrangente."

Zeca Baleiro: Em todo compositor brasileiro há um vestígio de Luiz Gonzaga

"É uma barreira que o Brasil ainda precisa quebrar: ver o samba como algo de todo o Brasil e o baião e o forró como algo só do Nordeste, algo folclórico", afirma Karina Buhr. Nas palavras de Chico César: "O Sudeste se colocou como centro do país durante muito tempo e isso gerou uma visão distorcida de si mesmo e do resto. Como se o que não é Sudeste fosse periferia."

Para Odair José, Gonzaga é um dos grandes inventores da música brasileira e não deve nada a nomes como Tom Jobim ou Pixinguinha. "Ele inventou um estilo de música. Não pegou de lugar nenhum, criou. Ele era único no que fazia", diz o cantor.

Daniela Mercury: Luiz Gonzaga faz parte de minha vida desde que nasci, por ser brasileira, por ser nordestina e por ser artista.

Memória afetiva

Outro ponto em comum citado por diversos artistas ao iG é como a obra de Luiz Gonzaga faz parte da "memória afetiva" do povo brasileiro. O termo é usado, por exemplo, por Daniela Mercury.

"Gonzaga faz parte de minha vida desde que nasci, por ser brasileira, por ser nordestina e por ser artista", afirma. "Parece que tem cheiro de milho, de canjica, de fogueira, que toda criança gosta. E a gente nunca deixa de ser criança."

Já Karina Buhr disse que "se sente em casa" quando ouve Luiz Gonzaga. "Não sei como explicar direito. É como se suas músicas sempre tivessem existido. Não parece que alguém as fez", diz.

Ou, como explica Maria Alcina: "Eu estaria mentindo se falasse que ouço Luiz Gonzaga desde criança. É mais do que isso: já nasci ouvindo. Mais ainda: ouvia na barriga da minha mãe. É assim com a maioria dos brasileiros".

Com informações do IG

0 comentários:

Postar um comentário