segunda-feira, 5 de novembro de 2012

As Chapadas de Buriti de Inácia Vaz revisitadas na crônica de Mayron Régis


A Conversa Acalma O Fogo Em Carrancas, Baixo Parnaíba Maranhense

A conversa acalma o fogo. Nesses tempos, o fogo imprime sua fúria sobre as áreas de Chapada e sobre as áreas de Baixo. No caminho, entre Chapadinha e Buriti, presenciam-se inúmeros córregos secos e inúmeras queimadas em áreas de preservação permanente. A falta de chuva no sertão maranhense em 2012 implicou na perda da safra de culturas como arroz e milho e no aumento das queimadas. Tanto uma como a outra não se constituem em nenhuma novidade para o agricultor familiar do Baixo Parnaiba maranhense que, por séculos, cultiva o solo do qual retira seu sustento. Houve tempos em que a chuva evitou por completo o leste maranhense. Algumas áreas se esvaziaram. As pessoas secaram por dentro e por fora.

A agricultura familiar depende, completamente, dos recursos naturais. A agricultura familiar modifica os recursos naturais na hora que produz alimentos, na hora que constrói sua moradia e na hora de consumir produtos industrializados. O Vicente de Paula, morador do povoado Carrancas, município de Buriti, rememorou o que sua família enfrentou ao se mudar para a Chapada. Completara dez anos essa mudança. Eles limparam uma área de mato seco e levantaram uma choupana que serve de cozinha e despensa. Como necessitavam de água, construíram um poço. Como necessitavam de verduras, implantaram uma horta. Para coletar bacuri, valiam-se das áreas dos vizinhos. As áreas dos vizinhos contam com mais bacurizeiros do que a área do Vicente de Paula. 

 Incluiu-se o Vicente de Paula no projeto “Carrancas do senhor Onésio”, financiado pelo CASA (Centro de Apoio Sócio Ambiental), a pedido do senhor Onésio, um dos proprietários de áreas onde a família do Vicente coleta bacuri. A expansão da soja pelas Chapadas de Buriti condenava posseiros como o Vicente de Paula e o senhor Onésio a extinção e com eles se extinguiria espécies como o bacurizeiro e o pequizeiro, árvores nativas do Cerrado maranhense. Vicente de Paula defende a tese que não se deveria permitir nenhum desmatamento na sua região porque as nascentes do rio Preto, afluente do rio Munim, espocam por toda a Chapada.

Concebeu-se o projeto “Carrancas do senhor Onésio” em conversas com os pequenos proprietários e posseiros do povoado. A varanda de dona Graça recepcionava essas conversas. O objetivo principal do projeto, o reflorestamento das margens do rio Preto, interligava-se com outros objetivos como a geração de renda a partir do beneficiamento dos frutos do Cerrado e a segurança alimentar.  Para algumas pessoas, um projeto como esse tardara. As áreas de extrativismo de bacuri e de pequi se reduziram em todo o município de Buriti e desde que os gaúchos promoveram os desmatamentos pouca coisa havia sido feito. Os proprietários se mostraram descrentes com o projeto.

À primeira vista, os pequenos proprietários de Carrancas haviam se rendido aos plantadores de soja. Essa impressão circulava pelo Baixo Parnaiba maranhense. Eles não tomaram partido pelos plantadores de soja, apenas não viam motivação para que confrontassem um segmento que contava com apoio dos governos. E o que eles argumentariam em contraposição ao projeto da soja no Baixo Parnaiba? Que a conservação da Chapada perduraria os recursos hídricos, a biodiversidade local e a cultura das comunidades tradicionais? Bem, essas razões foram incapazes de segurar a fronteira agrícola no sul do Maranhão e vários dos plantadores de soja se deslocavam dessa região para o Baixo Parnaiba. De certa forma, os plantadores de soja prestaram um favor aos pequenos e médios proprietários ao comprarem suas áreas de Chapada. A compra dessas áreas e os desmatamentos posteriores cortaram quaisquer afinidades sociais, culturais, ambientais e econômicas que esses proprietários alegavam em momentos anteriores. A venda da Chapada reafirmava de forma contraditória o poder politico desses proprietários sobre os demais moradores que colhiam frutos ou cortavam madeiras na Chapada. Aqueles que não venderam suas áreas não o fizeram por razões particulares e, provavelmente, uma delas reside na compreensão de que, desprovidos de suas áreas de extrativismo, eles não seriam nada.

É só calcular. O André, plantador de soja, oferecera dez mil reais e mais noventa hectares espalhados em toda Carrancas para que o Vicente abdicasse dos seus mais de 160 hectares. Nessa proposta, o sojicultor contestava a posse do Vicente e o valor do que construíra em dez anos. O Vicente rejeitou a proposta. A resposta negativa se devia ao simples fato que a propriedade valia muito mais do ponto de vista financeiro. A recusa repercutiu. Um morador de Carrancas que recebe pela empreitada em áreas desmatadas perguntava ao Vicente se não era uma perda de tempo. Com essa pergunta, ele pretendia demover Vicente dos seus intuitos. Outros bem que fizeram essa mesma pergunta relativa ao projeto “Carrancas do senhor Onésio”. Caso o André lograsse êxito, o projeto estaria fadado ao fracasso.

O Vicente se sagrou vitorioso na quebra-de-braço com o André. Essa vitória injetou um ânimo nele, de tal jeito, que, logo depois da recusa, ele construiu um galinheiro e cercou a área de manejo de bacuri. Na área de manejo de bacuri, uma das brotações, que cresce rapidamente, proveio de um bacurizeiro que botava em outubro quando a maioria bota em janeiro. Contudo, a real medida do interesse do Vicente transpareceu na sequencia à sua participação na oficina de criação de colmeias.  A criação de colmeias de abelhas nativas pode trazer bons resultados como pode não trazer nenhum. Ele aprendeu a construir as caixas e a fazer a mudança das abelhas tiuba e uruçú dos troncos velhos para as caixas recentemente aprontadas. Quem ensinou o manejo foi o Doutor, agricultor familiar do município de Rosário e integrante da Associação Agroecológica Tijupá. Os bons resultados com a criação de abelhas fazem ressurgir histórias simples de pessoas em Carrancas que coletavam o mel em grande quantidade e coletavam a cera apenas para fabricar as velas que queimariam em homenagem aos mortos no dia dos finados. Esses costumes desapareceram junto com as pessoas que as requisitavam. Ganhava-se de forma individual e de forma instintiva. No projeto “As Carrancas do senhor Onésio” se ganha de forma coletiva e o ano todo porque se tem o bacuri, o pequi, o murici, o caju, o buriti, a manga, o babaçu e a criação de pequenos animais.

Mayron Régis 

0 comentários:

Postar um comentário