domingo, 3 de novembro de 2013

Eduardo Campos em visita ao Piauí troca impressões e duvida de Aécio

Governador de Pernanbuco Eduardo Campos

Um senhor simples, celular em punho, pediu para tirar uma foto com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), assim que o viu na manhã escaldante de 22 de outubro, quando ele partia atrasado para uma entrevista a jornalistas do Piauí.

Com metade do corpo dentro da van que o levaria a seus compromissos, Campos voltou-se para o homem e consentiu, sorrindo: "Só se isso não for lhe prejudicar".

Foi a primeira de muitas fotos naquele dia, todas tiradas após a mesmíssima frase. AFolha acompanhou o governador, provável candidato do PSB à Presidência, durante uma visita de um dia a Teresina (PI), onde foi receber um título de cidadão honorário e fazer contatos com aliados.

Entre um deslocamento e outro, pausa para cochichos, entrevistas arranjadas de última hora e um único assunto a rondar as conversas: as eleições presidenciais de 2014.

"A van é o espaço da fofoca interna, o confessionário. Onde se tira sarro, fala-se de política e, às vezes, até almoça com o carro em pleno movimento", definiu o deputado Márcio França (PSB-SP), um dos passageiros da van.

No banco da frente, atrás do motorista, Campos dividiu o assento com uma dupla ecumênica: à sua esquerda, o governador do Piauí, Wilson Martins, que é do PSB; do lado direito, o prefeito de Teresina, o tucano Firmino Filho.

Quando soube por um assessor que a Câmara dos Deputados acabara de aprovar limites aos gastos dos candidatos na próxima campanha, soltou: "Para lisos feito nós, se puder não ter televisão, melhor. Só debate está bom".

Além de dinheiro para alavancar sua candidatura ao lado da nova aliada Marina Silva, Campos também precisará de um recurso escasso em sua prateleira, com o qual a ex-senadora não pôde contribuir: tempo de televisão.

DÚVIDA
Enquanto se deslocava entre uma entrevista e outra, Eduardo Campos, sentado na primeira fileira da van, virou-se e perguntou baixinho, para não ser flagrado por ninguém, ao neoaliado Heráclito Fortes: "Você acha que Aécio vai até o fim?"

ACOSTAMENTO
Campos falou da reação do PT sobre à aliança com Marina. "Foi assim: estávamos na estrada, quase no acostamento. Eles queriam que corrêssemos na faixa da direita. A gente fez que foi, mas, de repente, ligamos a sinaleira para a esquerda."

MAPA TORTO
O deputado Márcio França dava entrevista na van sobre alianças do PSB nos Estados quando Campos disse: "Márcios Franças, está tudo de perna pro ar, não dê o serviço errado". O nome veio no plural porque, segundo Campos, o deputado vale por 2.

DIPLOMA
Campos lembrou de um amigo que mandou a filha estudar na Inglaterra. Quando ela voltou, trouxe um namorado do Paquistão. O governador repetiu a frase do amigo: "Esta aqui é minha filha, e este aqui (apontando para o namorado) é o diploma".

CEMITÉRIO
Contou ainda que ouviu de um vereador em PE: "Governador, aqui a obra mais importante é o muro do cemitério". Ele rebateu: "Pense numa obra complicada. Quem está fora não quer entrar e quem está dentro não pode sair nunca mais".

CARNEIRINHO
Heráclito Fortes, político que transitou por partidos de matiz mais conservadora e se filiou recentemente ao PSB, apresentava-se o tempo todo com um bem-humorado "saudações socialistas". Até que um gaiato da comitiva pernambucana, ao ver o ex-senador pelo Democratas (ex-PFL) suado com o calor escaldante de Teresina, soltou: "Pensava que era fácil ser socialista?". O ex-senador rebateu: "Meu filho, estou tão animado que pareço um carneirinho depois da tosa".

Da Folha


0 comentários:

Postar um comentário