domingo, 28 de maio de 2017

Novo ministro da Justiça de Temer pode demitir chefe da PF para barrar de vez a lava jato, como disse Jucá em grampo

Investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial, Michel Temer fez, neste domingo, um movimento arriscado: nomeou Torquato Jardim para o Ministério da Justiça, com a missão de ampliar o controle sobre a Polícia Federal; segundo o colunista Gerson Camarotti, da GloboNews, o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, poderá ser demitido; rejeitado por 95% da população.

Temer é alvo de 14 pedidos de impeachment – um deles apresentado pela Ordem dos Advogados do Brasil– e transformou o Palácio do Planalto num bunker, para tentar se manter no cargo; se cair, Temer perderá o foro privilegiado e poderá ser investigado pelos crimes apontados nas delações da JBS e da Odebrecht; em seu governo, as verbas para a Lava Jato foram reduzidas em 30% e um dos objetivos do golpe, como revelou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), era "estancar a sangria"

Michel Temer realizou neste domingo um movimento arriscado e que ao mesmo tempo mostra como está pressionado no cargo. Na tarde de hoje, o peemedebista tirou Osmar Serraglio do Ministério da Justiça e colocou no lugar Torquato Jardim no lugar. Serraglio assumirá a pasta da Transparência. O objetivo de Temer com a substituição é fazer com que o governo tenha mais poder sobre a Polícia Federal, conseguindo assim mais influência sobre as investigações da Operação Lava Jato.

O colunista Gerson Camarotti, da GloboNews, afirmou que o diretor-geral da PF, Leandro Daiello, pode ser retirado do posto e os investigadores da Lava Jato já demonstram preocupação com a mexida de Temer. Serraglio era considerado um ministro passivo, com pouca capacidade de interferir na PF. Torquato assume para exercer justamente esse papel.

No governo de Michel Temer, as verbas para a Lava Jato caíram 30% e o peemedebista segue firme na estratégia de fazer tudo para permanecer no poder, mesmo sendo rejeitado pela maioria da população brasileira e investigado por corrupção, organização criminosa e obstrução judicial.

Ao trocar os ministros e escancarar o plano de interferência na Polícia Federal, Temer só corrobora a famosa frase disparada pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR) e registrada em gravação; que o objetivo do golpe era "estancar a sangria".

247

0 comentários:

Postar um comentário