sexta-feira, 12 de maio de 2017

"O senhor que grampeou o Youssef, poderia saber mais de corrupção que eu", disse ex-presidente Lula

Moro quis saber se Lula não se sentia responsável pela corrupção na Petrobras. Juiz também deu indícios de que a participação do ex-presidente - que admitiu reunião com Renato Duque para falar de propina - era vital para o esquema.

No quarto vídeo do depoimento de Lula a Sergio Moro, o ex-presidente foi questionado pelo juiz se sabia da existênca do esquema de corrupção na Petrobras durante sua passagem pelo governo. Lula respondeu que não tinha conhecimento e nem responsabilidade pelas ações dos ex-diretores que corromperam a estatal. E disparou contra Moro: "Todos nós só ficamos sabendo quando foi pega no grampo a conversa de Alberto Youssef com Paulo Roberto. (...) O senhor que soltou o Youssef e mandou grampear. O senhor poderia saber mais do que eu."

O embate começou quando Lula disse que nenhuma autoridade, institutição ou mesmo a imprensa havia levantado indícios do petrolão à época dos acontecimento. Entre 6'37'' - 7'06'':

Lula: Entenda, doutor Moro, que coisa engraçada. Todos os diretores que indiquei passaram pelo crivo do GSI [gabinete que avaliava as indicações de partidos], foram indicados, não houve um voto contra do Conselho de Administração, nenhuma denúncia de qualquer trabalhador, nenhuma denúncia da Policia Federal, nenhuma denúncia do Ministério Público, nenhuma denúncia da imprensa. E isso aconteceu em 2003 e 2004. Como não posso grampear ninguém e não tinha Youssef na minha vida, eu não tinha como saber.
Mais à frente, o assunto voltou à tona, e Moro até perguntou se Lula não achava que era responsável, ainda que indiretamente, pela corrupção na Petrobras. Entre 25'30'' e 26'50'':

Moro: O senhor ex-presidente tendo nomeado ou dado a palavra final para indicação ao Conselho de Administração da Petrobras de Paulo Roberto Costa, Renato Duque, Nestor Cerveró, Jorge Zelada, o senhor não tinha conhecimento dos crimes por eles praticados ou desse esquema?

Lula: Não, nem eu, nem o senhor, nem o Ministério Público, nem a Petrobras, nem a imprensa, nem a Polícia Federal. Todos nós só ficamos sabendo quando foi pego no grampo a conversa de Alberto Youssef com Paulo Roberto.

Moro: Eu indago porque foi o senhor que indiciou o nome deles ao Conselho de AdM da Petrobras, é uma situação diferente da minha, que não tenho nada a ver com isso, eu nunca participei dessas negociações.

Lula: O senhor que soltou o Youssef e mandou grampear. O senhor poderia saber mais do que eu.

Moro: Eu decreti a prisão do Alberto Youssef, é bem diferente. Mas enfim, o senhor tendo indicado não tinha nenhum conhecimento disso?

Lula: Nada, eu indiquei tanta gente...

Moro: O senhor tendo nomeado todas essas pessoas, o senhor entende que o senhor não tem nenhuma responsabilidade pelos fatos que eles praticaram na Petrobras?

Lula: Nenhuma.

A CONFISSÃO SOBRE RENATO DUQUE
Neste trecho do depoimento, Moro explorou a cadeia de corrupção na Petrobras, dando sinais de que, para ele, Lula tem papel predominante no esquema, porque foi responsável por dar a "palavra final" sobre todos os diretores indicados para o Conselhor de Administração da Petrobras.

Em particular, o juiz quis saber da relação de Lula com Renato Duque, apontado pela Lava Jato como o diretor que abastecia o caixa do PT junto a João Vaccari Neto.

Duque, pretenso delator, disse a Sergio Moro que se encontrou com Lula, já depois da Lava Jato, para falar da existência de contas no exterior. Segundo Duque, que ainda está preso, Lula teria dito que "não pode ter" nenhum indício de conta. Duque afirmou que mentiu e disse que não tinha conta nenhuma.

Lula admitiu o encontro, mas negou que tenha solicitado a destruição de provas.

Aos 18'45'' a 22'10'': Moro: Esteve pessoalmente com Renato Duque alguma vez?

Lula: Estive uma vez, no aeroporto de Congonhas, se não me falha a memória, porque tinham vários boatos de corrupção e de conta no exterior. Eu pedi para o Vaccari, porque eu não tinha amizade com o Duque, trazer o Duque para conversar.

Moro: Isso foi quando?

Lula: Não tenho ideia. Sei que foi no hangar lá em Congonhas e a pergunta foi simples: 'Tem matéria nos jornais, têm denuncias de que você tem dinheiro no exterior. Você tem conta no exterior?', e ele falou: 'não tenho'. Falei: 'acabou'. Ele não mentiu para mim, mentiu para ele mesmo.

A pergunta mais relevante, saber porquê Lula procurou Duque para discutir a existência de propina no exterior, não foi feita por Moro. O juiz se preocupou em saber por qual razão Lula procurou Vaccari para fazer a ponte com Duque, e se o ex-presidente sabia que os dois tinham alguma relação de amizade.

Moro: Por que fez isso, procurar Vaccari para chegar ao Duque?

Lula: Porque o Vaccari conhecia ele. Só isso. Que tipo de relação eles tinham, eu não sei.

Do GGN

0 comentários:

Postar um comentário