terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Com ingressos a R$ 8,5 mil, palestra de Moro gera protesto na Universidade de Coimbra em Portugal

Moro e o procurador Roberto Pozzobon - que enviou a Rodrigo Tacla Duran o acordo de delação supostamente melhorado por Carlos Zucolotto - foram convidados para o mesmo evento em Portugal
Estudantes brasileiros e portugueses protestaram contra a participação de Sergio Moro em uma palestra sobre combate à corrupção promovida pela Universidade de Coimbra na segunda (4). Segundo relatos da Folha, "muros da instituição amanheceram pichados com mensagens contra o magistrado". 
Moro, e o procurador de Curitiba Roberto Pozzobon, foram convidados a participar de um evento cujo ingresso saiu pela bagatela de "10 parcelas de R$ 850,00", com direito a "uma série de jantares paralelos". 
Pozzobon é o procurador que aparece nas denúncias de Rodrigo Tacla Duran, assim como o amigo pessoal e compadre de Sergio Moro, o advogado Carlos Zucolotto. 
Segundo Duran, Zucolotto cobrou 5 milhões de dólares em propina para melhorar a proposta de delação premiada que o ex-advogado da Odebrecht negociava com a força-tarefa da Lava Jato. Dois dias após conversar com Zucolotto, Pozzobon enviou a Duran um e-mail com a minuta do termo de colaboração. O GGN divulgou o conteúdo da mensagem com exclusividade nesta matéria aqui
Ainda de acordo com a Folha, a Apeb (Associação de Pesquisadores e Estudantes Brasileiros em Coimbra) disse que o protesto contra Moro teve como motivação seus "métodos de atuação" na Lava Jato, questionados por Lula na ONU.
"Tendo em vista que os métodos de atuação no processo judicial adotados por Sergio Moro são contestados justamente no Comitê de Direitos Humanos das Organizações das Nações Unidas, a Apeb/Coimbra manifesta a sua perplexidade com a escolha desse personagem para participar no evento que trate de tais temáticas na qualidade de conferencista", diz o texto. 
Procurado, Moro ainda não foi localizado pela reportagem.
GGN

0 comentários:

Postar um comentário