segunda-feira, 9 de julho de 2012

O caso da morte de guerrilheiro em 1972 pela ditadura será investigada, confira

Ruy Carlos Vieira Berbert foi morto aos 24 anos na cadeia pública de Natividade, atual.

BRASÍLIA - Em decisão confirmada nesta segunda-feira, 9, a Comissão da Verdade reabrirá o caso da morte do guerrilheiro Ruy Carlos Vieira Berbert, morto aos 24 anos, em janeiro de 1972, na cadeia pública de Natividade, município que atualmente pertence do Estado do Tocantins. É o primeiro caso reaberto pelo grupo instalado em maio pela presidente Dilma Rousseff. 

Arquivo Nacional
Caso da morte de Berbert será reaberto

No último sábado, o Estado divulgou fotografias inéditas do corpo de Berbert que estavam guardadas no Arquivo Nacional. A assessoria da Comissão da Verdade relatou que o grupo debateu hoje as providências a serem tomadas nesse caso. Os integrantes da comissão avaliaram que era necessário investigar a história para saber as reais circunstâncias da morte de Berbert.

Detalhes das providências a serem tomadas sobre a morte do guerrilheiro serão discutidos nos próximos encontros da Comissão da Verdade. O grupo ainda receberá papéis e documentos da comissão sobre mortos e desaparecidos da Secretaria de Direitos Humanos relativos ao caso.

A Comissão da Verdade ainda está reunida no Centro Cultural Banco do Brasil, na capital federal. O grupo também discutiu o aparelho de repressão e centros de tortura no governo militar. Os integrantes do grupo ainda assistiram a uma apresentação da historiadora Heloísa Starling, da Universidade Federal de Minas Gerais, que fez um levantamento sobre operações militares na região do Araguaia, onde ocorreu a guerrilha do PCdoB.

A Comissão ainda colocou hoje em debate a série de reuniões que terá com setores da sociedade civil, em agosto, no Rio de Janeiro e São Paulo; e em setembro, no Recife. Está previsto também um encontro no dia 30 de julho em Brasília com integrantes das Comissões da Verdade instaladas em Estados e municípios.

Estadão

0 comentários:

Postar um comentário