terça-feira, 26 de janeiro de 2010

O MA RECEBERÁ BASE NAVAL DA MARINHA EM SÃO LUIS

Aumentam as expectativas sobre a instalação da Segunda Esquadra da Marinha do Brasil no Maranhão. Porém, ficou para a próxima semana um anúncio oficial do Ministério da Defesa, definindo o local de construção da base militar.

Maranhão, Ceará, Pará e Amapá são os estados apontados pela Estratégia Nacional de Defesa (END) como candidatos ao empreendimento. Nos últimos meses, o Maranhão vem se destacando em relação aos demais concorrentes, em função das vantagens propiciadas pela excelente condição de navegabilidade na Baía de São Marcos e sua posição geográfica estratégica, próximo à foz do Amazonas.
Entre os fatores, estão ainda a amplitude de marés de até oito metros de amplitude e a profundidade do Canal do Boqueirão, que chega a 60 metros e possibilita a operação de submarinos a qualquer hora do dia. São Luís também se destaca por sua estrutura portuária privilegiada, capaz de receber navios de grande porte (acima de 100 mil toneladas), com calado acima de 15 metros de profundidade.

O assunto também foi destaque neste fim de semana do jornal Diário do Pará, que deu como certa a escolha do Maranhão como sede da Segunda Esquadra. O matutino ainda questionou a decisão (ainda não divulgada oficialmente) do Ministério da Defesa, descrevendo uma série de qualidades do litoral paraense para receber o empreendimento.

Escolha - São Luís reúne as qualidades necessárias para abrigar a base naval da Segunda Esquadra, disse o almirante-de-esquadra Julio Soares de Moura Neto, autoridade máxima da Marinha do Brasil, em sua passagem pela Ilha, no dia 11 de setembro do ano passado. "Absolutamente sim. Há um porto muito bom, que é o Itaqui. Ele é o segundo porto no mundo em águas profundas, portanto pode operar qualquer tipo de navio. Há outros também, mas com toda certeza a Baía de São Marcos atende às necessidades da Marinha", ressaltou o almirante.

A Segunda Esquadra da Marinha é um macroempreendimento, com uma nova frota de navios, helicópteros e aviões militares, além de um corpo de fuzileiros navais de quatro mil homens.

Como comparativo, a Primeira Esquadra da Marinha, no Rio de Janeiro, possui um porta-aviões, cinco navios de apoio a operações anfíbias, 14 navios-escolta e cinco submarinos. Há também os meios aéreos e os fuzileiros navais, uma força que envolve cerca de seis mil homens.
MAIS
- A primeira informação da eventual instalação da base naval em São Luís foi divulgada em 21 de junho de 2009, pelo diretor de comunicação da Marinha, contra-almirante Domingos Sávio Nogueira.

- Em julho, uma comitiva do alto comando da Marinha, liderada pelo almirante-de-esquadra Luís Umberto de Mendonça, veio a São Luís conferir os aspectos naturais e estruturais da Ilha.

- Em setembro, a autoridade máxima da Força Naval brasileira, almirante-de-esquadra Julio Soares de Moura Neto, esteve em São Luís e concluiu que as características naturais e portuárias da Ilha são adequadas ao projeto.

- Em outubro, o almirante-de-esquadra Álvaro Augusto Monteiro, membro do alto comando da Marinha e comandante do Corpo de Fuzileiros Navais, também veio a São Luís em missão de reconhecimento.

Fonte: severino-neto.blogspot.com

0 comentários:

Postar um comentário