quarta-feira, 21 de setembro de 2011

PMDB PODE FORÇAR SAÍDA DE FLÁVIO DINO DA EMBRATUR

O ex-deputado Flávio Dino, PCdoB do Maranhão, presidente da Embratur, acabou transformando-se em um involuntário símbolo da luta do jovem político brasileiro contra as ainda poderosas oligarquias nordestinas, uma saga de cordel que começou há 10 anos e que não para de produzir novos versos.
Embora em aparente declínio, essa, como todas as sobreviventes, tem um poder ainda extraordinário e suficiente para sufocar qualquer movimento de oxigenação da prática política.
Vindo de uma vida profissional como juiz, Flávio Dino foi eleito deputado federal em 2006 e despontou na eleição municipal de 2008, concorrendo à Prefeitura de São Luís, em segundo turno, com João Castelo, um dos ícones da política maranhense. Aliado à esquerda, o deputado passou a desafiar o clã Sarney, liderando os que abraçaram a causa da resistência à forma como o grupo do ex-presidente da República, integrado basicamente por sua família, conduzia os negócios do Estado.
Saindo bem daquele segundo turno de disputa da prefeitura, Flávio Dino estourou em 2010. Ao disputar o governo do Estado com Roseana Sarney, que vinha de uma retomada judicial do gabinete que perdera antes em mais um soluço de desgaste do esquema político do grupo, Flávio Dino foi derrotado. Mas passou por aquela experiência do “perder ganhando”: Por apenas oito centésimos, cerca de 2,5 mil votos, perdeu a eleição para governador do Maranhão. Até o ex-presidente Lula foi apoiar Roseana Sarney e impedir que o PT ficasse contra os Sarney.
Parte do PT queria apoiar Flávio Dino oficialmente, em coligação, ou não apoiar oficialmente os Sarney, mas o partido se dividiu e a metade do petismo sarneysista, com apoio de Lula e do PT nacional, ganhou a disputa e aliou-se à Roseana depois eleita. Ainda hoje os petistas no Maranhão estão rachados ao meio: O único deputado federal eleito, Domingos Dutra, que na campanha chegou a fazer greve de fome no Congresso Nacional para que houvesse liberdade de coligação no Maranhão, é do grupo de Dino; um dos três deputados estaduais do PT eleitos naquela campanha ficou também fora do sarneysismo.
O líder do PT que ficou contra Dino é Washington Oliveira, hoje vice-governador de Roseana. Metade do partido majoritário no poder federal segue com os Sarney, a outra metade com Flávio Dino e PSB, PDT, PPS.
Para esse grupo, passada a refrega em que Lula e a cúpula partidária renegaram seus aliados históricos em favor dos Sarney, foi ministrado um pouco de oxigênio, e o governo deu a eles a Embratur, hoje presidida por Flávio Dino.
A autarquia foi criada em 1966, faz agora 45 anos, e concentrava toda a ação governamental na área do turismo até 2003, quando Lula criou o Ministério do Turismo, mais um na expansão desordenada do Estado, como fez em várias outras áreas. Nesses últimos oito anos, ministério e autarquia dividiram suas tarefas. Enquanto o ministro do Turismo comandou a política interna, a Embratur ficou com a ação internacional. As famosas emendas parlamentares ao orçamento da área do turismo, espaço de cultura da corrupção na pasta, ficam todas com o Ministério, nada com a Embratur.
Assim, mesmo com um adversário peemedebista do Maranhão no comando, o ex-ministro Pedro Novais, Dino ficou no cargo e conseguiu levar adiante sua administração. Sob intensa artilharia e denúncias sucessivas de corrupção, Novais foi um ministro do Turismo recolhido a seu canto, nem sequer tomou iniciativas relacionadas à Copa do Mundo, cereja de vários ministérios, principalmente desse.
Eis porém que, caído Novais, a presidente Dilma nomeia um ministro do Turismo mais sarneysista ainda, o deputado Gastão Vieira, e volta a ficar instável a vida política do grupo de Dino.
A presidência da Embratur é uma nomeação do ministro chefe da Casa Civil, por delegação da presidente da República, mas o titular do cargo deve satisfações ao ministro do Turismo, em cuja órbita se situa a autarquia. Dino despachava pelo menos uma vez por semana com Novais. Não foi avisado por ninguém da Presidência, a não ser pelo próprio Gastão, em telefonema à meia noite, após sair do Palácio da Alvorada quando recebeu o convite, que passaria a dever vassalagem a um possível algoz político mais característico que o anterior.
Nem Flávio Dino nem Gastão Vieira dão sinais, no momento, de que o desenlace está próximo. O ministro o avisou que fora nomeado, o que não deixa de ser uma deferência, e tem despachado com ele rotineiramente. O presidente da Embratur, que tem orçamento, administração e pessoal próprios, não viu problemas até o momento nessa convivência e acha que o trabalho está fluindo.
Mas fora dessa cena oficial, começam a surgir pressões para que Flávio Dino desista finalmente do cargo que ocupa. Inclusive têm sido difundidas informações, originadas no PMDB, de que, sendo impossível, por definição e erro de origem, a convivência entre o ministro do Turismo e o presidente da Embratur, este teria que ceder o posto. Até porque, de certa forma, a Embratur lhe dá um palanque mínimo para uma candidatura em futuro próximo.
As pesquisas no Maranhão dão a Flávio Dino a liderança. Há, nesses índices, muito de recall da campanha de 2010. Mas esta é uma definição adiada pelo grupo de Dino, por duas razões: primeiro porque no seu campo político há vários outros pré-candidatos a prefeito. E segundo porque seu interesse está todo concentrado na disputa pelo governo do Estado, em 2014. Prepara-se para buscar os oito centésimos de votos que lhe faltaram em 2010.
* Rosângela Bittar é chefe da Redação do Valor Econômico em Brasília.
Do Blog do John Cutrim

0 comentários:

Postar um comentário