terça-feira, 8 de maio de 2012

Maranhenses estão em situação precária em obra no Rio de Janeiro, confira aqui

O sonho de ter uma vida melhor e mais digna faz com que algumas pessoas saiam de suas cidades para apostar em outras cidades. Foi o que aconteceu com um grupo de maranhenses que buscavam trabalho no estado do Rio de Janeiro, mais precisamente na cidade de Macaé.

Os maranhense de Coroatá, que fica a cerca de 270 km da capital maranhense, saíram da cidade no interior do estado com promessa de um salário de R$ 800, moradia, alimentação e transporte. Mas o que eles receberam foi totalmente o contrário.

Em denúncia feita pelo jornal O Globo, que esteve no local, foi observado que o alojamento dos quase 100 operários de uma obra que seria do Programa Federal "Minha Casa, Minha Vida" era muito apertado, com pouca ventilação e dividido apenas por compensados, além de não oferecer nenhum conforto aos trabalhadores.

Do lado de fora, muita sujeira e os banheiros imundos, com pias encardidas e vasos sanitários precários. O alojamento fica cerca de 200 metros da obra.

Outro lado
Ronaldo Vilela, responsável pela obra feita em consórcio entre a SPL Engenharia e Direcional Engenharia, afirmou que cem trabalhadores vivem atualmente nos alojamentos que abrigariam até 200 pessoas e que ninguém dorme no chão.

O reponsável pela obra disse, também, que todos os trabalhadores recebem passagem para ir para Macaé e quando desistem de trabalhar também recebem passagem para voltar a cidade de origem.

Além disso, os trabalhadores ganham, segundo Ronaldo Vilela, passagens nas folgas que ocorrem de 6 em 6 meses para visitar a família, e que os trabalhadores são contratados com todos os direitos trabalhistas.

Quanto à sujeira, foi justificado que quatro pessoas trabalham diariamente nos alojamentos fazendo a limpeza do local. Sobre os salários, seriam, de acordo com o responsável pela obra, em média R$ 2 mil mensais.

OAB
O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/Macaé, François Pimentel, disse que vai acionar todos os órgãos responsáveis pela obra, além de avisar o Ministério do Trabalho.

 Com informações da mídia digital

0 comentários:

Postar um comentário