terça-feira, 16 de julho de 2013

Senador pede perdão no Parlamento por chamar ministra de “Orangotango”, na Itália

O vice-presidente do Senado italiano e membro da Liga Norte, Roberto Calderoli, pediu nesta terça-feira perdão à ministra de Integração, Cécile Kyenge, congolesa, por compará-la a um orangotango, mas afirmou que não renunciará.

Em uma breve declaração, Calderoli afirmou que fez "uma bobagem" e disse que nunca mais atacará nenhum adversário político com ofensas desse tipo, que classificou como "execráveis".

No entanto, o político aproveitou a ocasião para reafirmar que não tem intenção alguma de renunciar e que continuará criticando a política de "um governo que permite a entrada de imigrantes ilegais".

Calderoli alegou que após a polêmica, ligou para a ministra para explicar que a ofensa aconteceu quando se deixou levar pelo ímpeto em um comício e cometeu "o erro grave, gravíssimo de passar do político para o pessoal".

Sobre a frase em que comparava a ministra com um orangotango, Calderoli disse que "não queria ter nenhum significado racial e ainda menos racista".

Diante do comportamento, acrescentou que nunca mais voltará a se repetir, reiterou suas desculpas tanto à ministra como ao Senado e acrescentou que mandará "um buquê de rosas" a Kyenge.

Calderoli explicou que em outra ocasião apresentou sua demissão quando era ministro em 2006, depois que sua coalizão pediu devido à polêmica que explodiu por causa de uma camiseta que usou com ofensas ao islã.

Mas que nesta ocasião, seu cargo é o de vice-presidente do Senado, representando a oposição, e que portanto só responde a quem votou nele.

"Teria estado disposto a apresentar minha renúncia se uma forte maioria tivesse pedido, mas não foi assim", acrescentou. 


Fonte: A Folha

0 comentários:

Postar um comentário