segunda-feira, 1 de maio de 2017

Ato de 1° de maio na Avenida Paulista é marcado por apoio a lula e críticas as reformas de Temer contra os mais pobres

Ato promovido pela CUT na avenida Paulista em alusão ao 1º de Maio, Dia do Trabalhador, foi marcado por críticas contra o governo de Michel Temer e contra as reformas trabalhista e previdenciária; presidente da CUT, Vagner Freitas, conclamou a população a marchar para Curitiba, no próximo dia 10, para acompanhar o depoimento do ex-presidente Lula ao juiz Sérgio Moro; "Os companheiros e companheiras ocupam a Paulista, mesmo contra as ordens desse autoritário safado do prefeito João Doria", disparou o presidente do PT, Rui Falcão, em alusão a ação movida pela prefeitura de São Paulo para impedir o ato na Paulista.

 O ato promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) na avenida Paulista em alusão ao 1º de Maio, Dia do Trabalhador, foi marcado por críticas contra o governo de Michel temer e contra as reformas trabalhista e previdenciária. O presidente da CUT, Vagner Freitas, conclamou a população a marchar para Curitiba, no próximo dia 10, para acompanhar o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato.

"Os companheiros e companheiras ocupam a Paulista, mesmo contra as ordens desse autoritário safado do prefeito João Doria", disparou o presidente do PT, Rui Falcão, em alusão a ação movida pela prefeitura de São Paulo para impedir o ato na Paulista. Falcão também pediu a "libertação dos presos políticos do PT, que estão presos sem culpa formada e não têm direito ao habeas corpus, que é um direito fundamental.

"É importante destacar que este é um ato de continuidade ao dia 28. O Brasil é contra as propostas apresentadas pelo Temer. É o presidente mais impopular da história do Brasil. Ele não pode fazer as reformas porque nem tem legitimidade nem credibilidade para isso", disse o presidente da CUT, Vagner Freitas.

Os dirigentes das principais centrais sindicais do país deverão se reunir na próxima quinta-feira para decidir se será realizada uma nova greve geral, a exemplo da acontecida nesta última sexta-feira (28), ou se será feita uma marcha até Brasília.

Do 247

0 comentários:

Postar um comentário