quinta-feira, 30 de maio de 2019

POLÍTICA NA VEIA, AS IMPRESSÕES DO 30M IN LOCO, POR FERNANDO BRITO

O Tijolaço, por algumas horas e com o devido pedido de “licença” de véspera, deixou de acompanhar o notíciário das redes para que Fernando Brito o seu autor fizesse o que sempre fez na vida: estar na rua, ao lado das causas  da educação e da liberdade, sem o que nada do que escrevesse em seu Blog teria sentido.
Como não esteve na manifestação do dia 15, não pode dizer se foi maior, menor ou igual. Pode apenas dizer que havia gente para lotar a Cinelândia à Avenida Presidente Vargas, algo como 1,5 km de gente.
Muito maiores, claro, que os atos pró-Bolsonaro de domingo.
A mais forte impressão para quem participa de atos de protestos desde os anos 70: a juventude. A segunda, a forte natureza apartidária – embora não antipartidária – dos manifestantes. Claro, havia algumas bandeiras de partidos, mas não eram a tônica.
Entre os mais velhos que participaram do ato – a classe média de meia-idade, a maior beneficiária dos avanços vividos pela universidade pública, tinha presença pouco significante, uma pena – algo assombrava: a incredulidade de termos retrocedido tanto e termos, em última análise, um governo de energúmenos.
Várias vezes se ouvia que a ditadura que combatemos era, ao menos, menos escandalosamente burra que os sujeitos que estão no poder.
As ruas – já leio a cobertura do que houve em São Paulo e Belo Horizonte – não se esvaziaram.
A polarização, portanto, não vai cessar, só crescerá.
Ainda mais com a postura estúpida do Ministério da Educação, de pretender proibir a manifestação de professores, estudantes e até de pais de alunos.
Isso só vai aumentar a adesão ao movimento.
“Cala a boca” nunca deu certo, ainda mais com jovens.
Amanhã Brito volta a fazer análises. Hoje é o dia da emoção de ter cumprido o dever de defender aquilo que o fez ser o que é, dia de descansar a cabeça e de sentir que, tantos anos depois das primeiras batalhas que foram travadas estamos vivos, sãos e prontos para ser o que nunca deixamos de ser.
A propósito: Brito percorreu a manifestação ao lado dos seus companheiros de universidade de 42 anos atrás. Foram horas de juventude que não têm, de forma alguma, preço para quem se orgulha da vida longa que se viveu.
Tijolaço

0 comentários:

Postar um comentário