domingo, 14 de outubro de 2018

FÁBIO DE OLIVEIRA RIBEIRO DIZ QUE A VEZ É DE HADDAD TCHAU, TCHAU BOLSONARO, VOLTE EM 2022

Foto: Reprodução/Twitter
POLARIZAÇÃO
 A disputa entre Haddad e Bolsonaro pode ser imaginada de diversas maneiras: civilização x barbárie; nordeste x região sul; católicos, judeus e muçulmanos x evangélicos; mestiços, negros e índios x brancos racistas; esquerda x direita; comunistas x fascistas; modernidade x atraso; capitalismo inclusivo x neoliberalismo; democracia x ditadura; futuro x passdo; tolerantes x intolerantes; feministas x machistas; etc...
Cada uma dessas fórmulas empregadas para enquadrar a disputa eleitoral e/ou facilitar a compreensão do que está sendo disputado contém uma mistura de verdade e falsidade. Reduzir a própria narrativa e enquadrar a narrativa adversária dentro de um sistema binário (bem x mal; amigo x inimigo) é uma maneira de convencer o respeitável público a decidir seu voto com base em sentimentos básicos: medo, amor, esperança e ódio.
DEMOCRACIA
Num regime democrático, contudo, a disputa eleitoral não deveria ser dominada pela conjuração dos sentimentos, pois a política é ou deve ser diferente da guerra. A guerra separa os grupos humanos em campos irreconciliáveis movidos por um único propósito: a destruição do inimigo. A política, como disse Hannah Arendt, só pode existir num espaço delicado que é consensualmente criado por pessoas desiguais com a finalidade de decidir o que pode ser considerado um bem comum.
A democracia é um processo que iguala os homens, para que eles possam se distinguir não pelo nascimento, riqueza, sexo, ideologia ou partido político e sim pelos argumentos que são apresentados aos cidadãos com a finalidade de convencê-los a tomar uma decisão e não outra. O melhor argumento ou o argumentador mais habilidoso se impõe. Quando uma decisão é tomada, o curso da ação afetará toda a comunidade de uma maneira ou de outra. Mas a própria comunidade não deveria ser desfeita em virtude do que foi decidido.
INCÓGNITA
O problema é que ninguém pode prever como uma decisão aparentemente adequada irá afetar a comunidade no futuro. Nenhuma nação está em condições de controlar a maneira como suas decisões serão interpretadas pelas outras nações. Os idealizadores do golpe de 2016 acreditaram que remover Dilma Rousseff do cargo criaria, por si só, as condições necessárias para o país voltar a crescer. A comunidade internacional reagiu mal à desdemocratização do Brasil. O resultado foi desesperador: nossa economia afundou muito e mais rápido.
SALVADOR DA PÁTRIA
Jair Bolsonaro se apresenta como um salvador da pátria. As propostas dele podem ser resumidas em dois grandes eixos: mais do mesmo neoliberalismo econômico (modelo econômico que fracassou sob o comando de Michel Temer) e; o aprofundamento do autoritarismo como forma de lidar com os conflitos decorrentes do empobrecimento de uma parcela significativa da população (regime político que fracassou sob o comando dos militares).
IMPRENSA
A imprensa brasileira, intoxicada pelo anti-petismo que ela mesma destilou e distribuiu desde que Lula ganhou pela primeira vez a presidência, tem adotado uma posição ambígua em relação a Bolsonaro. A imprensa internacional, contudo, preferiu ir direto ao ponto:  Bolsonaro representa um perigo para a América Latina e para o mundo. Se o candidato do PSL ganhar a presidência o isolamento do Brasil será maior e mais severo. Isso inevitavelmente provocará um recrudescimento dos conflitos políticos e econômicos dentro do país.
O que parece ser a decisão certa para a maioria dos eleitores (eleger Bolsonaro) pode ser a pior opção para o Brasil nesse momento. Lula disputou três eleições antes de ser eleito. Ele chegou ao poder no contexto adequado e conseguiu realizar um bom governo. Esta é a primeira vez que o Coiso disputa uma eleição presidencial. Não seria melhor deixar para votar nele daqui a quatro anos?
MILITARISMO
Existe outra questão que precisa ser considerada. Bolsonaro errou ao nomear Mourão como vice presidente. O general já deixou claro que nunca vi bater continência para um reles capitão. Os conflitos entre Dilma Rousseff e Michel Temer resultaram no golpe midiático-jurídico-parlamentar de 2016. Uma disputa de poder séria entre Bolsonaro e Mourão não poderá ser resolvida sem derramamento de sangue. E quando dois exércitos se movimentam num território o maior prejudicado é a totalidade da população.
A carreira de Bolsonaro está apenas começando. Ele é jovem e pode tranquilamente disputar a próxima eleição presidencial. Se perder a disputa em 2018, o candidato do PSL terá quatro anos para organizar e fortalecer seu partido. Ele poderá ganhar a eleição de 2022 muito mais facilmente. Um fracasso de Fernando Haddad e a modificação do contexto internacional aumentariam as chances de Bolsonaro chegar não só à presidência, mas também ao poder absoluto. Levar consigo um vice-presidente menos perigoso do que o general Mourão seria uma vantagem adicional.
GGN

0 comentários:

Postar um comentário