quarta-feira, 17 de março de 2021

MARANHÃO ASSINA CONTRATO DE COMPRA DE 4,5 MILHÕES DE DOSES DA VACINA SPUTNIK V

Compromisso foi firmado na manhã desta quarta-feira (17). Entrega deverá ser iniciada em abril.

Caso governo federal não declare interesse nas vacinas, o estado do Maranhão vai fazer a compra independente - Divulgação.

O governador do maranhão, Flávio Dino (PCdoB), anunciou na manhã desta quarta-feira (17) a assinatura de contrato que prevê a aquisição de 4.582.861 doses da vacina russa contra a Covid-19, Sputnik V.

O imunizante será produzido pelo instituto russo Gamaleya em parceria com a farmacêutica brasileira União Química e, segundo estudos publicados na revista The Lancet, tem eficácia de 91,6% contra as formas sintomáticas da doença.

A princípio, o contrato prevê a aquisição das vacinas para compor o quantitativo total de vacinas a nível nacional, mas o governador declara que caso não seja interesse do governo federal, o próprio estado assumirá o negócio e a operação, e o início das entregas está previsto para abril.

"Se o Ministério da Saúde desejar, portanto, incorporar as vacinas ao Plano Nacional, nós iremos cumprir aquilo que a lei manda e não iremos oferecer qualquer oposição em relação a isso. Caso o Ministério da Saúde entenda que não vai utilizar a vacina Sputnik, nós vamos concluir todo o processo e vamos receber a vacina no Maranhão, exclusivamente”, explicou Flávio Dino, em vídeo divulgado em suas redes sociais (veja abaixo).

Dino declarou ainda que caso a entrega das vacinas seja feita exclusivamente ao Maranhão, elas serão destinadas aos grupos prioritários, em especial à área da educação:

“Nesse momento, sem dúvida, colocamos nas prioridades a situação da educação, porque as nossas crianças e os nossos jovens já estão muito tempo sem aulas presenciais. Vamos aguardar o posicionamento do governo federal. O contrato está assinado e ele prevê que essas entregas serão feitas em etapas, a partir do mês de abril, chegando até o mês de julho”.

A vacina russa já é utilizada em mais de 40 países, inclusive vizinhos como a Argentina / Agustin Marcarian/Reuters.

Os esforços para a compra de vacinas vêm desde 2020, quando o governo do Maranhão entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para que os estados pudessem adquirir vacinas diretamente de outros países, levando em consideração o atraso do plano nacional de imunização e a emergência sanitária.

Em dezembro de 2020, o secretário estadual de Saúde, Carlos Lula, anunciou que o estado já dispunha de R$ 50 milhões reservados para a aquisição de imunizantes, mas esbarrava nas diretrizes do Plano Nacional, que não permitia a compra, além disso, criticou a posição de negação do governo federal a outras vacinas, a exemplo da Sputnik V.

Somente depois, neste mês de março de 2021, foi confirmado que a negação do governo Bolsonaro à vacina russa se deu por pressão dos Estados Unidos, à época governado por Donald Trump.

Leia mais em: EUA assumem pressão em Bolsonaro contra vacina russa, e Putin pediu ajuda a Lula.

No entanto, como os governadores do Nordeste declararam interesse em lotes da vacina ainda em 2020, poderão adquirir os imunizantes a preço menor do que o que será pago pelo governo federal.

Em entrevista para a CCN, o governador Wellington Dias (PT), do Piauí, declarou que governadores do Nordeste deverão pagar US$ 9,95 por dose em lote de 39 milhões de doses da vacina Sputnik V. Já o governo federal vai pagar US$ 13 por dose e com a limitação de compra de 10 milhões de frascos.

O vídeo completo com divulgação da assinatura de contrato de compra por parte do governador Flávio Dino pode ser visualizado abaixo.

Brasil de Fato.

0 comentários:

Postar um comentário