quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

GUERRA PELA CÂMARA É PRÉ-DISPUTA POR 2022, POR FERNANDO BRITO

Nos velhos tempos, havia as “raposas do Congresso”: animais políticos matreiros, espertos, de pelo macio e movimentos suaves.

Em matéria de canídeos, hoje, além das grotescas hienas que se vê, a toda hora, o que parece dominar a fauna parlamentar são mesmo lobos, em lugar dos refinados felpudos do passado.

Rodrigo Maia e David Alcolumbre, com muito pouco acanhamento senão o verbal têm os poderes de presidentes da Câmara e do Senado e mostram que não irão largá-los, ainda que à custa de um atropelo constitucional que só mesmo o desqualificado STF que tem este país poderia considerar.

Até há alguns anos, ainda que os partidos políticos brasileiros já fossem extremamente degradados, ainda se conseguia tratar da escolha dos chefes do Legislativo com um mínimo de correspondência com o tamanho das bancadas partidárias.

Agora, o DEM, que acumula a presidência das duas Casas, é apenas o 10° partido na Câmara e o 7° no Senado.

A despeito da clareza do comando constitucional que proíbe a reeleição dos presidentes de Câmara e Senado na mesma legislatura, o Judiciário está atraído pela ideia de que Rodrigo Maia, principalmente, é um obstáculo ao poder absoluto de Jair Bolsonaro, afinal parido pelas decisões da Justiça que lhe abriram caminho.

Providencialmente, surge agora a acusação do Ministério Público contra Arthur Lira, o candidato do Centrão – e de Bolsonaro à chefia da Câmara. Lira teria, como o filho-senador do presidente, se beneficiado de um sistema de “rachadinhas”, como relata o Estadão:

(…)o deputado federal Arthur Lira (Progressistas-AL) esteve à frente de um esquema milionário de “rachadinha” quando integrou a Assembleia Legislativa de Alagoas, segundo acusação do Ministério Público Federal. Documentos até então sigilosos obtidos pelo Estadão indicam desvio, entre 2001 e 2007, de R$ 254 milhões dos cofres públicos. Somente o líder do Centrão movimentou R$ 9,5 milhões em sua conta. As informações estão em uma ação penal que Lira ainda responde na Justiça estadual. Ele já foi condenado pelo caso na esfera cível.
Para desviar o dinheiro da Assembleia, o “grupo criminoso” liderado por Lira, como destaca o processo, incluiu na folha de pagamentos funcionários fantasmas. O esquema, afirma a acusação, usava empresas de terceiros para simular negociações e empréstimos pessoais como forma de justificar a movimentação financeira nas contas dos parlamentares.

É possível que seja reação ao comando que vem do Planalto: derrotar Rodrigo Maia de qualquer forma, para evitar que ele seja o núcleo de uma candidatura de centro-direita (seja com que candidato for) e atrapalhe os planos de outra reeleição, ao do próprio Bolsonaro.

A política brasileira virou esta mixórdia, por que o baixo clero ocupou a própria Santa Sé.

Do Tijolaço.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário