quinta-feira, 4 de junho de 2020

COM 1/4 DOS NOVOS CASOS DE COVID-19 E OS PILATOS QUEREM ABRIR TUDO, POR FERNANDO BRITO

Parece que pouca gente neste país está fazendo ideia do crime que está sendo cometido contra o povo brasileiro.
Seja qual for a hora em que o Ministério da Saúde divulgar os números de vítimas, hoje à noite, teremos chegado a 600 mil pessoas contaminadas e ficar em torno de 34 mil mortos nos igualando à Itália em óbitos e passando, assim, a ficar em terceiro lugar em perda de vidas, pois o segundo em perdas de vidas já somos há vários dias.
Ontem, dos 121 mil casos novos da doença registrados no mundo, corresponderam a brasileiros quase um quarto das vítimas.
Mas são se escuta aqui abrir, abrir tudo.
Até as escolas já falam em reabrir, sem ter qualquer ideia de até onde se pode chegar.
Em São Paulo e no Rio, libera-se os camelôs e, boa parte do comércio das periferias já está aberta, a meia-porta ou escancarado.
Um país sem governo, permitam o pleonasmo, vira um país desgovernado e, portanto, no rumo de um desastre imenso.
Hoje, na cobertura da Globonews, um jovem jornalista disse que aos jornalistas não cabe dizer se o relaxamento das poucas medidas restritivas seria correto ou não, mas apenas “ouvir especialistas”.
Desculpe, rapaz, mas aos jornalistas coube dizer se a abolição da escravatura “era correta”, se os desejos de igualdade da Revolução Francesa “eram corretos”, se os direitos dos seres humanos deviam ser respeitados…
Falta apenas erigir Pilatos como o patrono da “neutralidade”.
De que adianta invocar a ciência se, na prática, ficarmos indiferentes à morte de milhares de brasileiros?
Do Tijolaço
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário