sábado, 1 de agosto de 2020

ARAS BATE-BOCA E ACUSA PROCURADORES QUE DEFENDEM A LAVA JATO DE PLANTAR FAKE NEWS

Discussão entre Aras e o procurador Nicolao Dino marcou sessão do Conselho Superior do MPF para discutir orçamento da entidade.
Foto: Sérgio Lima/Poder360
O embate entre o procurador-geral da República, Augusto Aras, e procuradores que defendem a Operação Lava Jato acirrou nesta sexta-feira, 31 de julho, durante sessão do Conselho Superior do Ministério Público Federal (MPF) realizada por videoconferência. 
O encontro virtual, a fim de discutir a proposta orçamentária da entidade para 2021, começou com um bate-boca entre Aras e o procurador Nicolao Dino, que comentou a oposição do chefe do MPF sobre a força-tarefa de Curitiba em entrevista exclusiva ao jornalista Luis Nassif nesta semana
Dino foi o primeiro a falar na sessão e usou seu tempo para ler carta aberta, subscrita pelos subprocuradores Nivio Freitas, José Adonis e Luiza Frischeisen, em crítica às últimas acusações de Aras contra o modus operandi da Operação – criada em Curitiba. 
“Vossa Excelência, com o peso da autoridade do cargo que exerce, e evocando o pretexto de corrigir rumos ante a supostos desvios das forças-tarefas, fez graves afirmações em relação ao funcionamento do Ministério Público Federal em debate com advogados”, disse Dino. 
No entanto, o procurador foi interrompido pelo chefe do MPF. Aras disse para Dino focar no tema da reunião. “[Aqui] não será um palco político de Vossa Excelência e de ninguém”, afirmou Aras.
O embate não parou por aí. No final da Sessão, Aras acusou os procuradores de vazarem informações suas à imprensa e plantar notícias falsas contra sua gestão e sua família.  
“Todas as matérias que saem na imprensa, é um procurador ou uma procuradora que fala. O anonimato mais do que inconstitucional e ilegal, é covarde. Eu não tenho medo de enfrentar nenhum argumento, eu tenho o costume de enfrentar tudo o que faço e digo e não tenho receio de desagradar”, disse Aras. 
O chefe do MPF ainda afirmou que tem provas sobre as acusações contra os procuradores e já encaminhou o material para investigação. 
“Não me dirigi, em um evento acadêmico, se não pautado em fatos e em provas que se encontram sob investigação da Corregedoria Geral do Ministério Público Federal e do Conselho Nacional do Ministério Público. Caberá a eles apurar a verdade, a extensão, a profundidade e os autores, os coautores e os partícipes de tudo o que declarei. Porque me acostumei a falar com provas, tenho provas e essas provas já estão depositadas perante os órgãos competentes. De logo, registro que não houve nenhum protesto, houve fatos e provas que estão entregues e sob apreciação dos órgãos oficiais competentes”, afirmou Aras. Assista a sessão:
Do GGN, com informações do jornal Estado de S. Paulo
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário