domingo, 5 de julho de 2020

XADREZ DOS BOLSONARO E DA EXPANSÃO DAS MILÍCIAS DO RIO DE JANEIRO PARA ANGRA, POR LUIS NASSIF

O aumento do crime justificava a ampliação das forças policiais em Angra dos Reis. Só que, a partir de agora, o poder de Estado está nas mãos em um senador da República, envolvido em inquérito policiais, com ligações óbvias com as milícias.
PEÇA 1 – O PORTO DE ITAGUAI
Angra dos Reis fica 56 km do porto de Itaguai. O posto da Polícia Rodoviária Federal é essencial no combate ao contrabando, especialmente de armas, que entra pelo porto. Tanto assim que se tornou o principal alvo de Jair Bolsonaro. Toda a movimentação dele, em relação à Polícia Federal, tinha como alvo a fiscalização que se fazia no porto, com Receita e PF batendo recordes de apreensão de contrabando.
 PEÇA 2 – OS RECURSOS PRECÁRIOS DA PRF DO RIO DE JANEIRO
Já em 2017, preocupado com a entrada de armas no Estado, o prefeito Maurício Crivella buscava parcerias com a PRF, que atuava de forma precária no Rio.
Segundo matéria de O Globo, a estrutura da força estava em plena deterioração, com apenas 650 agentes, metade do efetivo da corporação na década ade 1990, para patrulhar 1.581 km de rodovias federais, “o que transforma o estado numa espécie de queijo suíço, por onde entram armas, munição e contrabando”, segundo a reportagem.
— Fico impressionado como entram e circulam armas na cidade. Já pedi para a Polícia Rodoviária Federal e a Marinha ideias sobre o assunto. A PRF relatou que existia um posto na Dutra, que foi fechado pelo governo federal. Falei para apresentarem um projeto, o município vai ajudar. Mas tem que ser um posto moderno, com scanner e outros recursos que possam detectar armas — disse o prefeito ao GLOBO”.
O efetivo da PRF chegou a 1.200 homens nos anos 90. Caiu para 650, com 200 desempenhando serviços internos.
Angra já dispõe de um posto da PRF, o de Jacuecanga, fiscalizando a Rio-Santos.
PEÇA 3 – A INAUGURAÇÃO DA DELEGACIA DE ANGRA
Na 6a feira foi inaugurada uma Delegacia da PRF em Angra dos Reis, um acordo entre a Superintendência da PRF do Rio de Janeiro e a prefeitura de Angra dos Reis. Parte dos efetivos sairá de Itaguaí.
Na inauguração compareceu o senador Flávio Bolsonaro, chegando de helicóptero, e tratando o evento como se fosse um feito pessoal dele e do pai. Foi uma chegada presidencial, com todo o aparato policial que se dedica a comitivas presidenciais.
Cumprimentou os policiais, como se cumprimenta a velhos companheiros, saudou o prefeito, que agradeceu com palavras profusas. E comportou-se em relação à delegacia como o político que consegue uma obra para sua cidade com verbas federais.
PEÇA 4 – A GUERRA ENTRE TRÁFICO E MILÍCIAS
Nos últimos anos explodiu a guerra de facções em Angra dos Reis. Cresceu enormemente o tráfico de drogas atraindo a atenção das milícias da zona oeste do Rio de Janeiro. Angra dos Reis se tornou o alvo principal da expansão das milícias do Rio.
O Atlas da Violência de 2019 registrou em Angra o índice de 50 mortos por 100 mil habitantes.
A ampliação da guerra se deu a partir das eleições de 2018, com as milícias expulsando o Comando Vermelho das favelas de Rola e Antares. Milicianos, armados com fuzis e roupas pretas, atacaram os traficantes, que buscaram refúgio em Angra dos Reis. A partir daí, a violência explodiu na cidade.
A disputa passou a ser de interesse político tão amplo que motivou a extravagante cena do governador do Estado Wilson Witzel em um helicóptero, metralhando supostas instalações de traficantes – na verdade, uma tenda de orações que, felizmente,
Nos últimos meses houve várias operações do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais) contra traficantes.
PEÇA 5 – A PAX DO CRIME
As milícias da Zona Oeste foram identificadas na Operação Quarto Elemento da Polícia Federal. O chefe maior é Luiz Antonio da Silva Braga, o Zinho. Figuras de relevo são os gêmeos Alan e Alex Rodrigues de Oliveira, e sua irmão Valeni de Oliveira Meliga. Os gêmeos eram segurança de Flávio Bolsonaro e Valdeni tesoureira do PSL. Os demais chefes do grupo foram homenageados por Flávio quando deputado estadual.
 A estratégia econômica das milícias, além da venda de proteção e de gás, são investimentos em terraplanagem e moradias populares.
Ontem, conversei com moradores de Angra dos Reis. Me informam que nos últimos dias ampliou-se a chegada de policiais do BOPE e de milicianos na cidade. Já foram contatos escritórios de registro de imóveis.
Tem-se, de um lado, o poder das milícias firmemente ancorado no poder político do estado. De outro, o poder federal sendo cooptado por um senador federal, em nome do presidente da República. Itaguaí era uma fortaleza, consolidada pela aliança entre Polícia Federal e Receita contra o crime. Em Angra, viu-se uma nova delegacia da PRF com seus policiais sendo tratados como companheiros por Flávio Bolsonaro.
Confira o vídeo:
Em breve haverá a pax do crime em Angra, e mais um pedaço do território brasileiro dominado pelas milícias.
Promotor com atuação em processos contra as milícias, Luiz Antônio Ayres explicou à UOL que em nos próximos anos o Rio ficará sob domínio completo das milícias.
– A milícia é muito mais do que um problema de segurança pública. Ela coloca em risco o próprio conceito democrático. Existe um projeto de poder político. As milícias estão com muito dinheiro. E, cada vez mais, vão eleger políticos”.
Enquanto isto, no reino do Bizâncio, lideranças políticas discutem se é de bom tom tirar um presidente ligado às milícias, se ele pode ser domesticado.
O aumento do crime justificava a ampliação das forças policiais em Angra dos Reis. Só que, a partir de agora, o poder de Estado está nas mãos em um senador da República, envolvido em inquérito policiais, com ligações óbvias com as milícias.
Do GGN
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário