sexta-feira, 17 de julho de 2020

XADREZ DA DESTRUIÇÃO DA NAÇÃO POR BOLSONARO E A URGÊNCIA DA REAÇÃO


Ainda não caiu a ficha dos grupos de poder - mercado, grandes empresas, mídia, Supremo, partidos políticos - sobre a urgência de se articular a queda de Bolsonaro e a montagem de um pacto de salvação nacional.
PEÇA 1 – O XADREZ DA CRISE
O que se pretende demonstrar neste Xadrez é o seguinte:
1 – O ritmo de saída da crise econômica dependerá das medidas que estão sendo tomadas agora: o que será preservada da estrutura econômica atual; e qual a posição do Brasil no comércio mundial pós-crise.
– Quanto maior a demora em sair da crise, maior o desalento e maior a instabilidade política futura.
3 – Não há a menor possibilidade do governo Bolsonaro apresentar um plano minimamente viável de saída para a crise. Ele é uma ameaça nacional pelo que faz e pelo que deixa de fazer.
4 – Momentos de grande desalento, como os atuais, abrem espaço para duas formas de reação: ou o exercício da solidariedade ou o discurso de ódio, com alguma liderança oportunista acenando com inimigos fictícios para produzir coesão. Tudo dependerá da maneira como será organizado o primeiro tempo do jogo pós-Bolsonaro.
5 – O discurso do confronto, praticado pelos Bolsonaro, passa por profundo desgaste, pela incapacidade de produzir qualquer política propositiva, e pelos fracassos nas três frentes: econômica, social e política. Cada dia de vida do governo Bolsonaro é um buraco a mais no caminho da recuperação nacional. Bolsonaro está alijando o país do chamado concerto das Nações e produzindo um desmonte em todas as instituições nacionais.
6 – Por outro lado, tirar Bolsonaro sem apresentar uma alternativa viável, significará aprofundar o caos. E vive-se uma era de desmoralização generalizada de todas as instituições. Da fase anterior, ocorreu a desmoralização dos partidos políticos, pela leniência com o presidencialismo de coalisão e falta de limites para os financiamentos de campanha; do Supremo Tribunal Federal e da mídia, pelo endosso ao discurso de ódio, ao desrespeito à Constituição e pelo uso oportunista da bandeira anticorrupção.  O desmanche político provocado pela Lava Jato conseguiu piorar ainda mais a representação parlamentar. A crise dos dois partidos centrais – PT e PSDB – pulverizou ainda mais o quadro partidários. Na primeira etapa, foram preservadas as Forças Armadas, por não terem ainda sido testadas. Com Bolsonaro, o desgaste atingiu também os militares.
Pela primeira vez, na história, o Brasil corre o risco de desmanchar-se como Nação. Na prática significaria a desmontagem final de qualquer ordem institucional, a perda de comando sobre as forças policiais e militares, a perda de coordenação do Supremo sobre a primeira instância e das casas do Congresso sobre o baixo clero, a expulsão do chamado concerto das nações, o isolamento comercial.
PEÇA 2 – A INVIABILIDADE DO GOVERNO BOLSONARO
Economia – Os números são eloquentes. São 12,7 milhões de desempregados, Mais que isso. Segundo a Pesquisa Pulso Empresa do IBGE, divulgada ontem, das 1,3 milhão de empresas que estavam fechadas na primeira quinzena de junho. 522,7 mil não mais reabrirão. Dessas, 518,4 mil são de pequeno porte, com até 49 empregados. Significa que, no pós-pandemia, haverá 522,7 mil empregadores a menos e 522,7 mil pequenos empresários jogados na zona cinzenta da falta de emprego. E, com o aumento do desemprego e a redução da renda, um mercado de consumo exangue.
Guedes não mostra nenhuma estratégia de reativação da economia. Falhou no apoio às empresas, na retomada do crédito, nas políticas de sustentação de emprego e renda. Continua preso a um fundamentalismo econômico suicida, que está inviabilizando a retomada dos investimentos em saneamento, ao pretender liquidar da noite para o dia as empresas estaduais de saneamento, deixando os municípios ao Deus-dará.
Sua lógica é simples.
1. Não dispõe de nenhuma capacidade operacional.
2. Não consegue montar uma estratégia sequer de retomada, seja por insuficiência de conhecimento, seja pela incapacidade de operacionalizar estratégias que exigem competência gerencial e conhecimento da realidade.
3. Vendo seu tempo se esgotar, desvia o foco para as tais reformas. Mercado e mídia reagem pavlovianamente, desviando a pressão nas medidas emergenciais para um discurso vago de reformas, que em nada amenizarão a derrocada atual da economia. Discute-se como a economia se salvará enquanto as bestas de Bizâncio querem discutir o que fazer depois da salvação.
Saúde – cada vez mais o início a retomada da economia se dará após o controle do Covid 19. A política de saúde é um desastre reconhecido. Bolsonaro desarticulou qualquer papel coordenador do governo federal frente à pandemia. Falhou na compra de medicamentos, na transferência de recursos, com a demissão de Luiz Eduardo Mandetta desmontou a tentativa do Ministério de Saúde de articular expectativas. Finalmente, colocou à frente do Ministério militares sem nenhuma conhecimento da matéria. Futuramente, será denunciado, julgado e condenado em tribunais internacionais por genocídio. Nos próximos meses, a exposição do fracasso brasileiro dificultará cada vez mais acordos comerciais ou sanitários.
Meio Ambiente – a militarização do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), a manutenção de Ricardo Salles à frente do Ministério do Meio Ambiente, e a tentativa do vice presidente Hamilton Mourão, em simular atendimento das demandas globais sobre a Amazônia, estão destruindo a política ambiental brasileira. Em um setor que exige sinergia, articulação com governos de estado, prefeituras, com ONGs, Mourão montou uma estrutura essencialmente militarizada. E defende intransigentemente a ideia de que a preservação da Amazônia se dará através da ocupação econômica da região. Só que não dispõe de um plano racional sequer. Com isso, a a questão econômica se restringe à flexibilização da fiscalização do garimpo, da pecuária e da exploração ilegal de madeiras, com um discurso que engana bolsominions, mas não a opinião pública internacional, com capacidade de checar as informações brasileiras através de outros serviços de satélite e do testemunho das ONGs que atuam na Amazonia.
Comércio Exterior – o Brasil se tornou um pária global, até em setores em que tinha excelência, como saúde e meio ambiente. A atuação ideológica do Ministério das Relações Exteriores, os atentados ao meio ambiente, o desrespeito aos direitos humanos, gradativamente est isolando o país da União Europeia e promovendo atritos com a China, principal parceiro comercial. As relações com Donald Trump tiveram como consequência apenas submissão e concessões unilaterais do Brasil, sem nenhuma contrapartida. Agora, com a provável derrota de Trump, os Bolsonaro perdem até o acesso à presidência dos EUA.
Flexibilização precoce – O boicote de Bolsonaro às políticas de isolamento, os erros de diagnóstico e implementação do Ministério da Saúde, a profunda incompetência administrativa de Guedes, geraram pressões pesadas sobre os governadores. Muitos deles cederam e flexibilizaram o isolamento. Agora, vem a caminho uma segunda onda, com implicações sociais, sanitárias e econômicas piores do que a primeira onda.
Haverá a segunda rodada de isolamento em uma de uma economia destroçada.
Essa soma de vetores lança uma nuvem tóxica sobre o país. Haverá desalento pela frente, podendo resultar em dois caminhos opostos, a exemplo do que ocorreu nos anos 30:
* identificação irracional de algum salvador da pátria manipulando inimigos imaginários como alvos;
* exercício da solidariedade.
PEÇA 3 – OS CAMINHOS PARA O PACTO
Ainda não caiu a ficha dos grupos de poder – mercado, grandes empresas, mídia, Supremo, partidos políticos – sobre a urgência de se articular a queda de Bolsonaro e a montagem de um pacto de salvação nacional.
Ainda há a visão oportunista de tratar Bolsonaro como acidente de percurso e se voltar ao estágio anterior do estado de exceção, de sufocar os contrários e impor a revogação da Constituição de 1988 através de maiorias eventuais no Congresso.
O caminho do pacto nacional é óbvio na formulação e difícil na ausência de interlocutores de todos os campos. Consitiria nos seguintes passos:
1. Definição dos pontos centrais do pacto, as ideias fundamentais, em torno das quais há consenso, e uma trégua nas demais, que abrem espaço para conflitos. Há consenso sobre as medidas emergenciais; e dissenso sobre o nível e profundidade das tais reformas liberalizantes.
2. Montagem de grupos de trabalho interpartidários, com representantes dos principais partidos do centro direita ao centro-esquerda, para discutir propostas justas e viáveis para os problemas da Previdência dos estados, da nova legislação trabalhista, da renda mínima etc.
3. O STF se assumir definitivamente como garantidor dos direitos Constitucionais e implementar de novo o chamado império das leis e do direito.
4. Partidos políticos de todos os espectros firmarem um pacto com o presidente da Câmara Rodrigo Maia visando preservar a neutralidade no internato.
5. Um duro trabalho de reconstrução das principais organizações públicas afetadas pela insanidade bolsonarista, repondo os quadros técnicos de cada área.
Do GGN
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário