domingo, 16 de maio de 2021

O ‘REI DO ÓDIO’ TEM GADO, MAS OS ESTÚPIDOS NÃO VÊEM O MONSTRO QUE CRIARAM, POR FERNANDO BRITO

Já vem de meses a história do Cinderelo da centro direita, aquele que ia surgir esplendoroso e cujo destino seria calçar direitinho no desejo dos brasileiros de “nem Bolsonaro, nem Lula”, disparando nas pesquisas para vencer as eleições de 2022.

Já estamos quase na metade do ano e nada do Cinderelo e vai chegar o fim de 2021 sem que o distinto dê as caras. Até o Luciano Huck, um dos pretendentes a isso está deixando para trás a pretensão de ser a mais velha novidade na disputa eleitoral e aceitando a muito bem paga vaga do Faustão nos domingos globais.

O que surge parece e é piada: até Danilo Gentili e João Amoedo querem se lançar ao páreo.

E, agora, fixaram-se na ideia de que podem tirar da eleição o monstrengo que fizeram presidente em 2018, apostando no seu derretimento total ou num impeachment que, embora cheio de razões há muito tempo, só agora passa a interessar porque ele é um estorvo eleitoral e não tem condições para “entregar a encomenda” de vender patrimônio e retirar direitos sociais.

O vezo golpista de parte de nossa elite é mesmo incorrigível. E é tão burra que até um microcéfalo como Jair Bolsonaro a desmonta.

Não entende que Bolsonaro conta com ela com o que ela própria procura construir no eleitorado para ter chances em 2022: um ódio e uma exclusão política que não admite o convívio com forças progressistas e de natureza social que Lula encarna.

Será que pensam que as pessoas não percebem que a busca alucinada pelo tal “3ª via” é, a esta altura, nada mais tem a ver com a perspectiva de encontrar alguém capaz de vencer Bolsonaro, mas com quem possa derrotar, com o mesmo ódio antipetista, o ex-presidente Lula?

E que Jair Bolsonaro desarma esta estratégia não se tornando mais flexível e agregador, mas fazendo exatamente o contrário: firmando-se e afirmando-se cada vez mais o inimigo, o adversário, o cruzado do antilulismo?

O que, por exemplo, Ciro Gomes ganhou com sua estratégia de apresentar-se como “Lula, PT, de jeito nenhum”? Cair de 12 para 6% nas pesquisas? O que Dória deixando de ser o “odiador” paulista do Lula por tornar-se crítico acerbo de Bolsonaro, depois do BolsoDória de 2018? Mesmo com seu desempenho com a vacina – ainda que com as tiradas demagógicas – correto e digno de todo aplauso, perdeu seu eleitorado e qualquer viabilidade eleitoral, que lhe falta até para dominar seu partido.

A exibição a cavalo de Jair Bolsonaro hoje, diante de suas manadas fundamentalistas bem poderia ser o retrato do que ele fez com a direita brasileira: é o “macho” que a montou e a controla.

Até mesmo o ex-deus Moro, artífice-mor do desastre que culminou com sua eleição foi destruído e o que remanesceu de seus “eleitores”, na sua falta, migra para o ex-capitão.

E, se Bolsonaro está a cavalo, a direita está à pé, assistindo Lula comer pelas beiradas seus eleitores e até mesmo seus quadros políticos mais lúcidos, que já buscam uma política de alianças com petista que elhes assegure posições regionais e bancadas parlamentares, que é do que vivem por falta de organicidade, que um dia tiveram com os tucanos.

Direita orgânica quem tem – com o paradoxo de adorar agrotóxicos, na plantação e na vida social – quem tem é Bolsonaro.

Tijolaço.

0 comentários:

Postar um comentário